Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Ex-Oxgênios, Livia Dabarian estrela 'Vamp' e lembra sucesso na infância: "Era surreal"

Ídolo infantil nos anos 1990 com o grupo Oxgênios e no programa Gente Inocente, a atriz mantém até hoje amizade com Xuxa

Kellen Rodrigues Publicado em 23/06/2017, às 10h17

Livia Dabarian - Arquivo Pessoal e Andre Wanderley/Divulgação
Livia Dabarian - Arquivo Pessoal e Andre Wanderley/Divulgação

Nada de princesas ou personagens comuns em festas infantis. Livia Dabarian se vestiu de Natasha (da novela Vamp) para uma performance de Calada Noite Preta em pleno aniversário de... cinco anos! A menina, claro, nem imaginava que um dia alternaria o papel da vampira com a própria Cláudia Ohana nos palcos. 

A apresentação para a família, no entanto, foi apenas um prelúdio do sucesso que viria em seguida: Livia provou o gostinho da fama na infância com o grupo Oxgênios, fenômeno no final dos anos 1990 que tinha Xuxa como madrinha. "Foi muito surreal, a gente fazia show para 20 mil pessoas com a Xuxa. As pessoas me reconheciam na rua", lembra. Quando o grupo acabou, em 2000, veio um grande aprendizado. "Percebi que tudo ia embora muito rápido. A fama não era a carreira, era consequência. Logo cedo tive a escolha de fazer isso pelo trabalho, não pela fama", conta.

Longe dos holofotes, ela estudou teatro musical em Nova York e hoje é uma das maiores estrelas dos musicais no Brasil. Foi em um deles (We Will Rock You, em 2016) que conheceu e começou a namorar o ator Alírio Netto. O romance nos bastidores virou pedido de casamento no palco. "Chorei horrores", diverte-se.

Após temporada de sucesso de Vamp no Rio de Janeiro, o espetáculo terá temporada em São Paulo a partir de setembro - Lívia dá vida à divertida Mary Matoso, além de alternar a Natasha. Enquanto isso, a atriz segue com o show Freddie Mercury Revisited, criado por ela e o marido, que teve estreia em Nova York. 

Em bate-papo com CARAS Digital ela fala sobre a carreira, a parceria com Alírio nos palcos e na vida e planos para maternidade.

Confira!

- Como começou sua carreira? Quais lembranças você guarda da época do grupo Oxgênios?
Comecei a fazer comerciais com cinco anos, fiz aulas de canto. Não escolhi minha profissão, ela me escolheu. Nunca cogitei fazer outra coisa. O Oxgênios foi muito surreal, a gente fazia show para 20 mil pessoas com a Xuxa. As pessoas me reconheciam na rua. Foi muito interessante ter esse boom porque depois que o grupo acabou, quando eu tinha dez anos, eu percebi que tudo ia embora muito rápido. Isso (a fama) não era a carreira, era consequência. Logo cedo tive a escolha de fazer isso pelo trabalho, não pela fama. Foi um dos melhores aprendizados que eu tive na vida.

- Ainda tem contato com a Xuxa?
Tenho amizade até hoje, amo ela e a Sasha, admiro como pessoas mesmo. Já cantei no Dancing Brasil, fomos assistir musicais juntas em Nova York. Ela é uma pessoa realmente iluminada e sempre me falava muito para estudar, me deu muitos conselhos.

- As pessoas te reconhecem mais pelo Oxgênios ou pelo Gente Inocente?
Me associam mais à menina dos Oxgênios, especialmente as pessoas da minha idade (29 anos), lembram bastante do grupo. No Gente Inocente eu estava com 12 anos, foi muito legal e divertido. Você olhar para a cara de um artista sendo homenageado é muito emocionante.

- Vamos falar sobre Vamp? Você trocou figurinhas com a Patrycia Travassos para fazer a Mary Matoso?
Ela foi na nossa estreia vip, foi muito legal ter tido esse aval dela. Quando eu tinha cinco anos eu era apaixonada pela novela, então eu sabia exatamente do que a personagem se tratava, tinha muita memória. Nossa proposta foi de não imitar a personagem, mas homenagear. Escolhemos algumas coisas chaves para isso, como a risada dela. Foi quase um ano de audições, super intenso, mas um processo muito gostoso. Todo mundo sai adorando, falando que reviveu os anos 90. É muito incrível pra gente, é a nossa intenção.

- E você reveza com a própria Cláudia Ohana o papel de Natasha...
É uma responsabilidade e um presente muito grande, eu era apaixonada pela Natasha. No meu aniversário de cinco anos dublei Calada Noite Preta, eu me vestia de vampira. Foi uma das coisas que fez me querer ser atriz. Essa personagem é muito especial para mim. É uma emoção muito grande subir no palco quando faço a Natasha. A vida imita a arte e a arte imita a vida. Sem falar que o elenco é realmente muito especial, ficamos muito unidos, são amigos que vou levar pra vida. A Cláudia é uma pessoa incrível, muito engraçada. E tem o Ney (Latorraca), que é um mestre, sou apaixonada por ele. Conviver com eles é sinônimo de aprendizado diário, eles ensinam muito sobre profissionalismo, generosidade. Um dos melhores presentes que eu já ganhei.

- Você foi pedida em casamento no palco, né? Como foi esse momento?
Eu e o Alírio nos conhecemos no We Will Rock You, éramos protagonistas, todas as nossas cenas eram juntos. Começamos como amigos, íamos juntos para os ensaios, jantávamos juntos, a gente não cansava um do outro. Foi muito institivo e muito rápido. Nos conheceram em janeiro, começamos a namorar um mês depois e em junho ele me pediu em casamento no Dia dos Namorados. Nossa família inteira estava na plateia. Para disfarçar, a produção falou que no final do espetáculo ele iria agradecer os patrocinadores, então ele me pediu em casamento. Chorei horrores (risos). Foi a coisa mais linda, duas mil pessoas ovacionando a gente. Sabe um sonho de menina, como você gostaria de ser pedida em casamento? Foi até mais. Agora nós moramos juntos.

- Tem o sonho de ser mãe?
Tenho muita vontade de ser mãe, sempre esteve nos meus planos, mas acho que os filhos têm que vir quando a gente tiver tempo para dedicar a eles. Acho que daqui uns quatro ou cinco anos pode ser que pinte.

- Vocês criaram o projeto Freddie Mercury Revisited e estrearam em Nova York. Pretendem continuar?
Quando a gente produziu esse musical pensamos "qual seria a coisa mais incrível? Imagina se fosse em Nova York?". Conseguimos tudo e estreamos lá em um teatro pequeno, mas lotado. Apresentamos em São Paulo em maio e estamos para anunciar uma data no Rio. É a realização de um sonho em muitos níveis, de conquista mesmo, porque a gente sabe que nada disso é fácil.

- Tem planos para a TV?
Tenho muita vontade de fazer TV porque você atinge pessoas por um país inteiro, e fiz pouco na minha carreira. É definitivamente um meio que tenho muita vontade. Aceito convites (risos).

- Algum projeto musical, como um CD, por exemplo?
Música e atuação, para mim, acabam andando juntas, fazer algum personagem que cantasse seria incrível. Mas na música o que estamos investindo mesmo é no show Fred Mercury, queremos viajar o Brasil inteiro e talvez pela América Latina.