Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Thiago Lacerda: romance com paciente?

Ator vai abordar problema ético sobre possível relacionamento da sua personagem com uma paciente

Redação Publicado em 14/09/2011, às 12h04 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Thiago Lacerda - AgNews
Thiago Lacerda - AgNews

O envolvimento de seu personagem – o médico Lúcio – com sua paciente em A Vida da Gente foi uma das coisas que mais chamou a atenção de Thiago Lacerda (33). Tanto, que ele fez questão de conversar com a autora da novela. “Quando vi o briefing, chamei o Jayme (Monjardim) e o Fabrício (Mamberti), e pedi um encontro com a autora (Lícia Manzo). Essa é uma questão muito delicada, e eu queria saber o que eles esperavam do personagem, que tipo de pessoa ele era”, afirmou.

Segundo Thiago, saber se seria herói ou vilão era fundamental. “Ele era o herói da história? Se fosse, seria tratado de uma forma. Se fosse um vilão, eu poderia colocar um traço de psicopatia. Porque ninguém se apaixona por uma pessoa em coma se não for um psicopata”, disparou. E comemorou mais um personagem interessante. “Dois aspectos me instigaram: a questão humanitária e esta relação improvável, que envolve ética".

Para o ator, assunto é muito sério para não ser discutido de forma mais intensa. “Conversei com médicos. É um aspecto muito delicado, que envolve ética, que é uma das coisas mais bonitas que eu vi na relação médico-paciente. Alguns médicos apontaram o cuidado que têm com isso. Conheci um neurocirurgião que me contou do cuidado que tem ao cumprimentar, por exemplo, a família de um paciente. É preciso ter uma barreira de relação, porque se você chega dando beijinho na mulher do cara, que está fragilizada, ela pode confundir as coisas. Por mais despretensioso que seja, entra num universo de expectativa que é muito complicado. Eu nunca tinha pensado nas coisas desse jeito”, explica.

Mesmo assim, o galã acha a história de seu personagem extremamente crível. “É possível sim que paciente e médico se apaixonem. É importante viver isso”, finalizou.