Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Na pele da espevitada protagonista, Heloísa Périssé revive a adolescência em 'O Diário de Tati'

Heloísa Périssé lança o filme 'O Diário de Tati' em São Paulo e, como personagem título, relembra a adolescência, fala da composição do papel e avalia os acontecimentos diários da idade agora como mãe de adolescente

Paola Donner Publicado em 17/08/2012, às 20h49 - Atualizado em 19/03/2020, às 12h15

Heloísa Périssé atualmente e em cenas de 'O Diário de Tati' - Paulo Mumia; Divulgação
Heloísa Périssé atualmente e em cenas de 'O Diário de Tati' - Paulo Mumia; Divulgação

Os anos passam, mas Heloísa Périssé (46) continua com o espírito e a aparência de adolescente, como os de sua personagem, Tati, que enfrenta diariamente (e com certo exagero) as descobertas e acontecimentos típicos da idade. Nesta sexta-feira, 17, a atriz se emocionou ao lançar oficialmente O Diário de Tati, filme rodado em 2006 e que chega às telas dos cinemas de todo o país no dia 24 de agosto.

“Para mim é muito emocionante poder ver um filme que eu fiz e onde retrato a adolescência, um período que foi há pouco tempo na minha vida, mas que ainda é muito vivo dentro de mim”, disse ela em entrevista à CARAS Online. “É um filme divertido, leve e para toda a família”.

Para Mauro Farias (44), diretor do longa e marido de Heloísa – com quem tem Antonia (6), o lançamento do filme já é uma grande conquista e o elenco é um chamariz de público. “A minha missão está cumprida. Claro que torço para o filme fazer sucesso, apesar de isso não depender de mim, mas o fato de o filme ter saído da produtora para as telas do cinema já é uma conquista. Há uma expectativa em torno do personagem para quem o conheceu no livro, teatro ou televisão e, além de tudo isso, há quem gosta de ver a Heloísa e os outros atores do elenco, que fazem sucesso na TV hoje em dia. É um filme brasileiro, sobre um personagem brasileiro que sempre fez muito sucesso e o longa tem tudo para conquistar uma ótima bilheteria”.

Apesar de ter a enteada, Paula (30) – filha de seu ex-marido, Lug de Paula (44), com quem a atriz tem Luisa (13) – como sua grande inspiração, Heloísa também vê muito da sua adolescência em Tati. “Paula e eu fazíamos muitas coisas juntas e ela sempre me contava os casos dela igualzinho a Tati fala e fazia umas caras que eram muito engraçadas. Eu pensava ‘será que eu era assim?’. Com certeza, assim para pior, e acabei criando a Tati. Minha adolescência teve todos os conflitos em comum com os da Tati. Ela está sempre às voltas com regime, espinha e essas coisas que eu acho que não é nem só do adolescente, porque no adolescente isso fica exacerbado, mas é da mulher mesmo, da gente”.

Confira a entrevista de Heloísa Périssé à CARAS Online:

- Tem alguma situação vivida pela Tati em comum com a sua filha Luisa?
- A Luisa entrou agora na adolescência, pois acabou de fazer 13 anos, inclusive detesta que eu fale dela. Ela é do tipo que não quer ser fotografada, que não quer que a vejam, que saibam ou não quer nada a seu respeito. Por enquanto ainda não vivemos essa fase, mas acho que daqui a pouco vai começar a rolar esses conflitos. Esses dias apareceu uma espinha no rosto dela e ela já ficou preocupada, mas a adolescência ainda está adentrando à porta.

- Juntamente com o Mauro Farias e os produtores, você escolheu o elenco e no filme fica claro o entrosamento de todos. Como era o clima nas gravações?
- Foi o melhor possível. Somos amigos até hoje e a gente sempre acaba se vendo ou sabendo um do outro. Então, foi como trabalhar em família e eu adorei!

- Em meio aos filmes adolescentes de Hollywood, qual a importância de O Diário de Tati para este público brasileiro?
- Não é um filme específico para adolescentes. Ele fala sobre a adolescência e essa idade não tem jeito: ou você é, ou você foi, ou você será adolescente. Acho que, em qualquer idade que você assista ao filme, haverá uma identificação. As meninas mais novas vão gostar por um motivo, as mães vão ver um crítica aqui e ali e os adolescente verão que vivem aqueles conflitos. O filme também é uma crítica, mas tem bastante humor.

- Como você se sente ao ver que, seis anos após ser gravado, o filme chega às telas de cinema de todo o país?
- Estou emocionada, muito feliz que esse filme ganhou as telonas e a gente vai entrar em circuito nacional no dia 24 de agosto. De todo o meu coração, espero que as pessoas curtam a beça esse filme, que é para todas as idades, e tenho certeza que é um divertimento garantido.