Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Etimologia

Redação Publicado em 26/12/2012, às 00h48 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

-
-

Átrio: do Latim atrium, entrada das residências romanas. No Latim vulgar virou adro. Era este o recinto onde ardia o fogo sagrado dos altares nos quais estavam os lares, divindades protetoras da casa. Suas características foram preservadas nos templos. Os romanos mais ricos moravam em domus, origem da palavra domicílio, ou acomodações semelhantes aos apartamentos de hoje, situadas numa insula, prédio de cerca de 20 metros de altura, com janelas e balcões.

Censo: do Latim census, levantamento, registro, estimativa. Na antiga Roma, o censo semelhava-se à Receita Federal e ao IBGE atuais. Por meio do censo, a cada lustro (período de cinco anos) os habitantes de uma região declaravam ao censor quantas pessoas viviam no mesmo teto, quais os bens, os rendimentos e outras informações relevantes. Segundo o Evangelho de Lucas, um censo do império romano coincidiu com o primeiro Natal. Mesmo morando em Nazaré, José e Maria foram a Belém, cidade de seu ancestral Jessé (século XI a.C.), pai de Davi (1040-970 a.C.), para cumprir a ordem do imperador César Otaviano Augusto (63-14 a.C.), que baixara um edital ordenando um recenseamento geral: “Naqueles dias, saiu um édito de César Augusto para descrever todo o mundo.”). As hospedarias da pequena vila estavam lotadas e por isso eles se abrigaram numa gruta, onde Maria (século I) deu à luz Jesus (entre 4 e 7 a.C.-29 e 31 d.C.).

Época: do Francês époque, adaptado do Grego epokhé, designando tanto a interrupção do tempo anterior como o início de um novo. Com o sentido de situar um acontecimento, é usada também a palavra tempo. As duas épocas, a que precedeu o nascimento de Jesus e a que se seguiu depois, não coincidem nas respectivas datações. A época A.D., iniciais do Latim Annus Domini (Ano do Senhor), começa no ano 1 do nascimento dele, a 25 de dezembro, mas, por erro de calendário, ele teria nascido no ano 4 do reinado de Augusto (63-14 a.C.). Foi Herodes (73- 4 a.C.) quem o perseguiu na célebre matança dos inocentes. Entre os séculos II e IV, o Natal foi celebrado em diversas datas, sendo a preferencial o dia 6 de janeiro. Mas a partir daí foi fixado em 25 de dezembro para coincidir com os cultos ao deus Sol Invictus (Sol Invencível), divindade trazida da Pérsia, atual Irã, para o panteão de Roma.

Leviatã: do hebraico Leviathan, pelo latim bíblico Leviathan, monstro das águas, como crocodilo e baleia, animais enormes e poderosos, mas vistos como atrapalhos a tudo. Esse significado foi escolhido pelo pensador inglês Thomas Hobbes (1588-1679) para representar o Estado como um rei de corpo gigantesco, mas constituído de anões. Ao contrário dos sentimentos celebrados no Natal, como a boa vontade humana e a fraternidade entre pessoas e nações, Hobbes não acredita na bondade e vê o homem sempre mau e hostil com o semelhante. Olha desconfiado para a liberdade, pois homens livres fazem o que querem e por isso a sociedade está sempre em risco, sem uma força que coíba os excessos. Esta força é o Estado-Leviatã.

Parto: do Latim partus, do mesmo étimo de parere, parire e parturire, designando tanto o ato de a mulher dar à luz uma criança, entre outros significados, como do nascimento de umanimal ou o surgimento do fruto em uma uma árvore. Por isso mesmo, aparece na metáfora da Ave-Maria a frase “bendito o fruto de vosso ventre, Jesus.”

Triunfo: do latim triumph, originalmente designando ato solene na antiga Roma, com o fim de comemorar a vitória de um magistrado superior que tivesse eliminado pelo menos 5000 inimigos. O cortejo precisava de autorização do Senado, nos tempos da República, e mais tarde do imperador, que às vezes era também o homenageado. Eram exibidos nas ruas o vencedor, os prisioneiros que ele fizera e todos os bens mais valiosos arrebatados durante a campanha militar. Vestindo toga bordada de ouro, coroado de louros, em pé em seu carro, o triunfante seguia orgulhoso à frente dos soldados e quando chegava à colina do Capitólio oferecia um sacrifício a Júpiter, o maior deus do panteão. Diversas festividades cristãs se inspiraram nesses ritos, como é o caso dos atos de ação de graças.