Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Tatiana Presser e Nizo Neto: sintonia fina do clã

Com suas filhas, eles realçam a parceria amorosa e profissional

Carlos Lima Costa Publicado em 28/07/2016, às 15h32

Em casa, com Isabela, Sofia e a gata da família, ator de Zorra e filho de Chico Anysio fala da cumplicidade que mantém com a psicóloga - CADU PILOTTO
Em casa, com Isabela, Sofia e a gata da família, ator de Zorra e filho de Chico Anysio fala da cumplicidade que mantém com a psicóloga - CADU PILOTTO

A ligação carnal e espiritual entre o ator Nizo Neto (52), no ar no global Zorra, e a psicóloga Tatiana Presser (42) resultou em bem mais do que duas filhas, Isabela (10) e Sofia (5), uma feliz e harmônica união de 14 anos e a admiração mútua. O casal, que desde 2012 excursiona pelo país com o espetáculo Vem Transar Com a Gente, e criou um canal no YouTube a partir das histórias da peça, enfatiza que a cumplicidade vem sendo posta à prova até em momentos de tragédia. Em março, Nizo, filho de Chico Anysio (1931-2012), perdeu seu primogênito, Rian, de relação anterior, aos 25 anos.

+ Brita Brazil, mãe de Rian Brito, lamenta morte do filho: "Ele vive e espera pelo reencontro"

+ Bruno Mazzeo e Malga di Paula falam sobre Rian Brito

O rapaz morreu afogado em uma praia de Quissamã, norte fluminense, após ficar desaparecido por dez dias. “A forma bizarra e trágica como aconteceu machuca ainda mais. Estamos aprendendo a lidar com tudo, é uma superação diária. Você consegue ter uma vida funcional, normal, mas é algo que não cura, uma feridinha que não vai fechar nunca porque é fora do natural”, estabelece. A rotina do lar na Barra, Rio, e a parceria e colaboração de ambos nos projetos do outro vem contribuindo para esta superação. “Vivemos uma vida de casal bem família e saudável. Temos uma relação muito incrível”, completa ela.

+ Mãe de Rian Brito, neto de Chico Anysio, agradece carinho

+ Xuxa lamenta morte de Rian Brito: "Sentimento que dói muito"

Um novo fruto é o livro Vem Transar Comigo, escrito por Tatiana e com prefácio de Nizo. “Apesar de ser psicóloga há 20 anos, comecei trabalhando com sexualidade de mulheres mastectomizadas e me digo uma ‘sexpert’, uma especialista em sexo. Fui percebendo que o homem tinha dificuldade de se expor. Aí inventei um canal no YouTube. Fizemos a peça, que é basicamente a minha palestra, no ritmo stand up, um espetáculo educativo, com muito humor. Era um tapa na cara virar para alguém e falar: ‘Você não sabe transar, tudo que você faz é errado’. Com humor, isso funciona melhor. No livro, me guio pela questão comportamental e não pela psicanálise”, explicou ela. “É um manual do sexo quase completo”, acrescentou ele, que em setembro estreia um stand up no Rio e recentemente rodou Duas de Mim, dirigido pela prima Cininha de Paula (59). O filme marca ainda a estreia de sua filha Isabela como atriz. “Não contracenamos, mas eu acompanhei e foi bonitinho vê-la toda feliz. Acho que já foi mordida pelo mosquitinho. Mas pode começar devagarzinho, porque esse meio para criança é cruel, a rotina é desgastante. Deixa ela crescer um pouco mais”, disse Nizo, que está com o filme O Prefeito, primeiro longa protagonizado por ele, rodando festivais. 

Com a Tatiana você mudou sua visão sobre sexo?

Com certeza, aprendi um bocado de coisas. Como uma espécie de cobaia, me aperfeiçoei mais. E, de certa forma, fui cobaia para este livro também.

Tatiana, você não era atriz. Foi difícil fazer a peça? 

Não me considero atriz, sou cara de pau. Na época, meu sogro, Chico Anysio, até falou que ia me levar para o Zorra. Como era a minha palestra feita com humor, conseguia levar. O texto, por si só, já e engraçado. Não gosto dessa coisa muito séria. Nizo – Ela se saiu bem. Mas é sensata, inteligente, não vai deixar a área dela para entrar nessa.

Sexo é um tabu para ser falado com as crianças?

Tatiana – Não, mas é uma conversa eterna. Damos o conteúdo de acordo com a idade delas. Mas na nossa casa tudo isso é muito natural. Antes, tínhamos o escritório em casa, era vibrador para cá, vibrador para lá. Por conta disso, vivemos situações hilárias e inusitadas. Um dia, teve uma festa das crianças e, na manhã seguinte, quando o pai de uma delas foi buscar, quase levou a mala errada, uma que estava cheia de sex toys.

Nizo – Imagina como ele explicaria isso em casa. (risos)

As meninas transformaram muito as vidas de vocês?

Nizo – Se você quer ser um pai e uma mãe presente, muda tudo, inclusive o ritmo da casa.

Você deseja mais filhos, vai seguir os passos do seu pai?

Nizo – Não. Elas são maravilhosas, mas está ótimo. Meu pai era um louco nesse sentido. Com 70 anos, queria outra criança. Não aconteceu porque a mulher não quis. Teve sete e sempre reclamando de que filho era uma preocupação na vida dele. Meu pai gostava de ter sempre um bebê em casa.

Você é rígido na criação?

Nizo – Nada, sou um molengão, muito babão. Já viu o que me espera... Imagina quando essas meninas estiverem com 14 anos, ah meu Deus. Ao mesmo tempo, é bom demais, porque as mulheres são sensacionais. Se o mundo fosse governado por elas, seria melhor.

Como as meninas encararam a perda do irmão?

Nizo – Isabela, principalmente, está sentindo bastante.

Tatiana – Eles tinham uma relação estreita, são muito parecidos, conviveram bem porque Rian morou com a gente uns três anos. Eram muito grudados.

Ele mudou depois que conheceu o chá de ayahuasca?

Nizo – Essa é uma substância liberada no País e provocou nele um surto psicótico, o transformou totalmente, virou outra pessoa. Foi e não voltou. Isso falado por quatro psiquiatras sérios. Não é uma especulação minha. Iniciou um processo de anorexia que foi fatal. Rian entrou naquele mar muito perigoso e fisicamente estava totalmente debilitado. Não teve força para voltar. Nesse delírio, não podia comer porque era um pacto que tinha com Deus, que nem ele mesmo sabia explicar direito. Referia-se a uma missão e não podia comer senão estaria traindo Deus. Falando a grosso modo, pirou! Os pais realmente têm que tomar cuidado. Certas pessoas podem beber isso a vida inteira e não acontece nada. Mas, em outros casos, o resultado é o mesmo que ocorreu com o Rian.

É verdade que vocês receberam uma carta psicografada do Rian um mês após sua morte?

Nizo – Não sou espírita e sim messiânico, mas acredito. Agora, religiosos experientes dizem que talvez tivesse sido um pouco cedo para um espírito tão jovem estar já se manifestando. Mas há recursos no qual um espírito usa outro mais experiente para passar essa mensagem. A essa altura, trouxe um pouco de conforto. Você vê que, pelo menos, o espírito está buscando paz.