Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
TV / Babado

Giovanna Lancellotti causa polêmica ao responder críticas de fãs sobre debate do aborto

Atriz não deixou barato as críticas dos seguidores no Instagram

CARAS Digital Publicado em 07/08/2018, às 14h51 - Atualizado às 16h03

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Giovanna Lancellotti se posiciona em relação ao aborto - Reprodução / Instagram
Giovanna Lancellotti se posiciona em relação ao aborto - Reprodução / Instagram

Giovanna Lancellotti compartilhou em seu Instagram nesta terça-feira, 7, uma foto onde aparece com seus irmãos gêmeos, Nasser e Lucca, que ainda não completaram um ano. 

O clique gerou polêmica entre os seus seguidores. Isso porque na última sexta-feira, 3, a atriz se posicionou a favor da descriminalização do aborto. Em uma foto, apareceu segurando um estandarte da campanha Nem Presa, Nem Morta"O aborto nunca vai deixar de existir", escreveu na legenda. "A diferença é o risco da vida que as mulheres vão correr nele ou não", completou. 

Na foto que postou com seus irmãozinhos, apareceram diversos comentários criticando a posição dela. "Têm sorte de ter uma mãe responsável que não quis abortá-los", escreveu uma seguidora. A estrela prontamente se posicionou. "Tiveram sorte de ter uma mãe linda que queria muito eles!", respondeu.

Os outros seguidores também entraram na briga. "Imagina se sua mãe quisesse abortar. Todo amor, carinho e cuidado que você reconhece e dedica não existiriam", alfinetou uma fã. "A mãe dela tem estrutura, totalmente diferente de milhares de mulheres que não tem estrutura para criar uma criança ou engravidam a partir de sexo forçado. São casos e casos!", defendeu outra. 

Na última semana ocorreram no Supremo Tribunal Federal audiências para estudar a possibilidade da descriminalização do aborto até a 12ª semana da gravidez. Atualmente, a lei prevê a disponibilização da interrupção da gravidez durante o mesmo período, mas apenas em casos de estupro, anencefalia ou risco de vida para a mulher.