Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Música / Cultura

Os Tribalistas explicam processo criativo no 'Conversa com Bial'​

Pedro Bial ressaltou o afeto que Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes têm entre si

CARAS Digital Publicado em 16/08/2018, às 13h02 - Atualizado às 13h47

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Os Tribalistas - Reprodução/TV Globo
Os Tribalistas - Reprodução/TV Globo

Os integrantes dos Tribalistas gravaram uma participação no Conversa com Bial que irá ao ar na noite da próxima sexta-feira, 17, e conversaram sobre o processo artístico das músicas que vêm encantando gerações desde 2002.

Formado por Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, o trio está fazendo uma turnê pelo Brasil e apresentando seus maiores sucessos como: CarnaváliaPasse em Casa, Velha Infância, Já Sei Namorar, entre outros.

“Acho que o que a gente traz é uma energia muito positiva, tem esse sincretismo com uma mensagem em si pela nossa própria convivência. Temos canções que falam disso explicitamente”, explicou Arnaldo. “Nós estamos falando de tolerância, do coletivo, de reconhecer a diferença como riqueza. É interessante ver que somos ‘todos’, a gente vai ter que se entender”, declarou Marisa, referindo-se à nova música, Diáspora, referente à questão dos refugiados.

Mesmo tendo um grande intervalo de tempo entre as gravações dos dois álbuns, eles afirmaram que preservaram o processo de criação dos trabalhos. “Quando a gente se encontra, cada um leva os seus escritos e a gente vai mostrando, se juntando. Nós três fazemos letra e música”, revelou Marisa. “Nossa explosão é quando se termina uma música e nossa intimidade nos permite reconhecer o que o outro acha”, completou Brown.

Fã da banda, Pedro Bial refletiu sobre como a transmissão de afeto entre eles passa para o público. "Existe, entre eles, uma visível transmissão de afeto, e isso transborda do palco para a plateia. A mensagem política dos Tribalistas é a alegria, e o Brasil é um país com vocação alegre, feliz. Mas, agora, a gente está ficando com uma cara feia. Que eles sejam a nossa reserva de alegria", explicou.