Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Thierry Figueira diz ser fantástico interpretar gay em Balacobaco: ‘É um mundo rico de cultura e informação’

Na pele do gay Patrick Pimenta, o ator Thierry Figueira afirma que está adorando gravar as cenas da novela 'Balacobaco' da Rede Record. De acordo com ele, o mundo gay 'é rico de informação e cultura'

Neto Lucon Publicado em 09/10/2012, às 11h17 - Atualizado às 21h54

Thierry Figueira vive Patrick Pimenta na novela 'Balacobaco' - Michel Angelo/Record
Thierry Figueira vive Patrick Pimenta na novela 'Balacobaco' - Michel Angelo/Record

Depois da série Rei Davi, da TV Record, Thierry Figueira (34) encara o desafio de interpretar Patrick Pimenta, um gay que sonha em se tornar uma celebridade, na novela Balacobaco. Com pitadas de humor, o ator afirma que está adorando a experiência e que considera “o mundo gay bastante rico de informação e cultura”.

Encarei o convite com muita naturalidade, pois não tenho nenhum preconceito. Estou aberto a todas as possibilidades do Patrick e faria até um beijo gay. Não sei se vai acontecer, pois trata-se de uma novela mais voltada para o humor, mas se rolar, vai ser ótimo”, declarou o ator, que promete cenas engraçadas e muitos micos. Em uma das gravações, Thierry teve que se vestir de frango.

Em entrevista exclusiva à CARAS Online, o ator desmente que Patrick tenha alguma inspiração de Crô, personagem de Marcelo Serrado em Fina Estampa, e diz que a linha de interpretação é diferente. “Patrick não é tão espalhafatoso como o Crô e ainda provoca um pouco de dúvida nas pessoas sobre a sua sexualidade”. Veja o bate-papo:

- Na novela você interpreta o sensível e moderninho Patrick. É a primeira vez que interpreta um personagem gay?

Fiz há muitos anos, em Malhação (Rede Globo). Foi em 1996 e a participação foi rápida, apenas 10 capítulos. Para você ter uma ideia, Malhação ainda era um produto novo e a repercussão foi grande, rendeu polêmica. Agora, os tempos são outros e interpretar um personagem gay é algo bastante tranquilo.

- Como surgiu o convite e como encarou esse desafio?

Não tenho nenhum preconceito, então encarei como qualquer outro convite para um bom personagem. Aliás, acho interessantíssima a oportunidade de interpretar um personagem um pouco diferente de mim, que vive de uma maneira um pouco diferente do meu cotidiano. E o mundo gay é muito rico, tanto de informação, cultura. É uma experiência fantástica.

- Patrick é assumido? Tem pegada para o humor?

Apesar do jeito de se vestir, ele não é um gay espalhafatoso e ainda provoca um pouco de dúvida. Mas também não é nada fechado, ele é um bofinho assumido sim. Ele é um personagem divertido, alto astral e que tem um grande sonho de se tornar ator. Vai passar por poucas e boas.

- Em uma das cenas, ele se veste de frango para tentar a carreira artística. Já precisou passar por algum mico?

(Risos). Não tenho pudores e nem medos para interpretar um personagem, então faço de verdade, visto a fantasia e encaro a situação. São cenas ridículas no bom sentido, por isso são tão engraçadas. Mas, fora da novela, graças a Deus não paguei nenhum mico. Se paguei, não tô sabendo ou esqueci (risos).

- Quais foram as preparações para interpretar Patrick?

Sempre tive contato a vida inteira com gays e tenho muitos amigos. Cada ser humano é um personagem e todos nós somos um. Então, me preparei entrando um pouco nesse universo, reparando nos amigos, pegando dicas, pesquisando nas redes sociais. Visualmente, fiz a sobrancelha, tirei os excessos do meio dela. O resultado pode ser visto na novela.

- Algumas pessoas compararam o visual dele com o do Crô, personagem de Marcelo Serrado na novela ‘Fina Estampa’, da TV Globo. Existe alguma influência?

Não, as comparações surgiram quando a primeira foto foi divulgada. Mas a inspiração do visual, apesar de lembrar o personagem do Serrado, foi das séries americanas. O personagem Crô é maravilhoso, tornou-se o grande protagonista da novela, mas a linha de interpretação é diferente. O Patrick não é tão escrachado como o Crô – digo escrachado no bom sentido - tem outra história e personalidade. 

- Existe a possibilidade de ele se apaixonar por alguém?

Estamos muito no início, mas todas as possibilidades estão abertas. Se ele tiver um envolvimento, vai ser ótimo e não teria problema em dar um beijo gay. Estou me divertindo com as gravações e com a amizade divertida que Patrick tem com Breno, o personagem de Leo Rosa. Eles são amigos e as aulas de interpretação são muito engraçadas. Estou curioso para saber os próximos passos do Patrick.