Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Na Itália, viúva de Beto Carrero fala da saudade do marido

Em Roma, Vanda Brito Ferreira fala da relação com o saudoso empresário e da paixão pela Itália

Redação Publicado em 20/12/2011, às 21h20 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Na Piazza di Spagna, em Roma, Vanda lembra sua relação com Beto Carrero, pai de sua filha, Juliana. - Victor Sokolowicz
Na Piazza di Spagna, em Roma, Vanda lembra sua relação com Beto Carrero, pai de sua filha, Juliana. - Victor Sokolowicz

Dona de um passaporte recheado de carimbos, Vanda Brito Ferreira (62) classifica o ato de viajar como sua atividade favorita. Radicada desde criança na capital paulista, a goiana de Anápolis iniciou a paixão de visitar novos lugares em 1974, ano em que conheceu o grande amor de sua vida, o empresário Beto Carrero (1937-2008). “Viajávamos muito juntos. A primeira vez em que visitei a Europa foi com ele, em 1982, quando fomos para a Alemanha e a Itália. Eu o acompanhei no início de sua trajetória de sucesso, quando ele ainda não possuía o nome artístico, era apenas o João Batista Sérgio Murad. Por isso, sempre estávamos de viagem para algum lugar, por conta dos negócios”, relembra ela, citando o pai de sua filha, Juliana (28).

Pai ainda de Alexandre (30) e Kelly (22), de outras relações, o saudoso idealizador de parque temático em Santa Catarina não chegou a oficializar a relação com Vanda, mas isso nunca foi motivo para diminuir a admiração que ela sentia e ainda sente por Beto. “Ele sempre foi um solteirão convicto! Era um homem dedicado e muito carinhoso e quando começou a ter destaque acabou se dedicando muito à carreira, por isso, acho que não pensava em manter uma união”, diz. “Eu alimentei o sonho de casar, mas as coisas estavam dando tão certo que acabei deixando de lado. Como ele se envolveu com os negócios, terminei focando minhas atenções em apenas um propósito: cuidar da nossa filha”, emenda ela, em tour pela Itália, onde passeou por pontos turísticos da capital, Roma, como Piazza di Spagna, Ponte Sant’Angelo e Piazza Venezia.

– Você viajou sozinha. Gosta de ter momentos só para você?

– Eu adoro viajar sozinha, pois deste modo tenho meu espaço e consigo fazer as coisas do meu jeito. Acordo bem cedo, faço caminhada e aproveito para conhecer novos lugares. Depois vou aos restaurantes, faço compras, tudo ao meu tempo. Não gosto de ficar dependendo das pessoas.

– É uma mulher mesmo bem independente...

– Bastante. Na Itália, não tenho problemas para me virar, mesmo falando pouco italiano. Minha filha fica admirada com minha coragem e liga quase todo dia. Quando chego ao Brasil, a conta de celular está nas alturas!

– Como era a vida com ele?

– Enquanto estávamos juntos, tudo era maravilhoso e ele foi o grande amor da minha vida. Sou formada em Psicologia e nunca exerci a profissão, pois queria acompanhá-lo e ajudá-lo. Abri mão de fazer muitas coisas para me dedicar a ele, mas em nenhum momento me arrependo.

– E a relação dele com a filha?

– Um pai atencioso que sempre a levava para viajar. Desde os 18 anos Juju ajuda nos negócios.

– Por que o tour pela Itália?

– É a terceira vez que venho e não me canso de apreciar. Sintome em casa e todos são atenciosos. Meu próximo destino será Nova York, em maio de 2012.