Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

JULIO IGLESIAS

Com o clã em Punta Cana após encantar Vips de caras no Rio

Redação Publicado em 11/12/2008, às 16h19 - Atualizado às 17h24

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Um dos cantores românticos mais populares do mundo, o espanhol Julio Iglesias (65) está celebrando os 40 anos de carreira com uma turnê que é uma verdadeira maratona: iniciou-se em janeiro de 2008, na África do Sul, e deve se encerrar apenas em novembro de 2009. Durante esse tempo, a idéia do artista é percorrer o mundo inteiro, interpretando seus sucessos e fazendo a alegria dos fãs. Em seu tour atual, Julio já passou duas vezes pelo Brasil. A primeira vez foi em março, para 10 concertos, a segunda em novembro - quando as apresentações do artista fizeram parte da série de shows comemorativos dos 15 anos da revista CARAS no país. Mesmo em meio a tantos compromissos, o cantor sempre encontra tempo para curtir sua família. E que família! Com sua atual mulher, a holandesa Miranda Rijnsburger (42) - com quem está casado há mais de 15 anos -, Julio tem cinco filhos: Miguel (11), Rodrigo (9), as gêmeas Cristina e Victoria (7) e Guillermo, de um ano e meio. Além das crianças, ele ainda é pai de Chábeli (37), Julio José (35) e Enrique (33), frutos de seu casamento com Isabel Preysler. Para descansar com os seus, o destino preferido de Julio é Punta Cana, na República Dominicana, onde o artista tem uma paradisíaca propriedade. Foi o próprio cantor que desenhou a casa, que tem como diferencial o fato de não ser visível nem da terra, nem do mar, garantindo total privacidade aos seus moradores. Sob a sombra das palmeiras e tendo o oceano ao fundo, Julio e a mulher posaram com sua belíssima família, apresentando o caçula, Guillermo, em um ensaio em que transborda a cálida atmosfera que cerca o clã. Cheios de estilo, os Iglesias se vestiram de branco para dar uma amostra de sua intimidade em seu refúgio caribenho. As crianças, travessas, se divertiram a valer, seja brincando de cozinhar - no caso dos maiores - ou apenas desfrutando da companhia dos pais e fazendo festa - caso de Guillermo, indubitavelmente, o "reizinho" da casa. Já Miranda ressaltou sua beleza serena com um expressivo colar de corais selvagens desenhado e presenteado pelo estilista Oscar de la Renta (76), grande amigo e vizinho da família em Punta Cana. E com isso Julio aproveitou para desfrutar da convivência com a mulher e os filhos, recarregando as energias antes de continuar sua bemsucedida trajetória. "Sem dúvida nenhuma, a família é um dos pilares de minha vida. Eles são minha fonte inesgotável de energia", comenta ele. Sobre a mulher, o cantor é enfático: "Miranda é a mulher que mais amei em toda minha vida, a mais importante de todas. Sem ela não consigo mais viver". - Há quanto tempo você tem esta casa na República Dominicana? Costuma passar muito tempo aqui com a família? - Tenho esta casa há 11 anos. Eu, minha mulher e meus filhos passamos longas temporadas aqui, pois é um lugar que nos encanta, por sua tranqüilidade. Punta Cana é sempre mágica. - Por que vocês escolheram este lugar? - Porque o Caribe sempre me fascinou, aqui me sinto em minha casa. - Sua família é bem numerosa. Você esperava ter tantos filhos? - Não sei... A vida foi generosa comigo. Ter oito filhos é realmente um presente de Deus. - A diferença de idade entre os filhos de seu primeiro casamento e os da união com Miranda trouxe problemas? Como as crianças se relacionam com os maiores? - Meus filhos pequenos adoram seus irmãos mais velhos, e viceversa. Miguel e Rodrigo, por exemplo, adoram surfar com Julio Jr. quando ele vem nos visitar em Punta Cana. Eles se dão muito bem, ainda que, é claro, meus filhos maiores tenham suas vidas, suas casas, sejam independentes. - E seu neto, também entra nessa brincadeira? - Sim, o Alejandro, filho de Chábeli, nos visita sempre, seja em Miami ou aqui em Punta Cana. Sempre que vem para casa é fácil imaginar o que aprontam meus cinco filhos pequenos com ele. Me encanta vê-los juntos. São muito divertidos e se dão muito bem, porque têm idades bem parecidas. - Como a família lida com sua ausência por longos períodos? - As vezes as turnês nos obrigam a passar várias semanas longe de casa, mas essa é a vida normal de um artista, não posso reclamar. - E Miranda, não reclama? - O que procuro fazer é planejar as turnês de forma a estar a maior parte do tempo possível com a família. De qualquer forma, cinco filhos são muitos filhos, e Miranda sempre está muito ocupada com eles (risos). -Com sua atual turnê não deve estar sobrando muito tempo para curtir a família... - Em 2008 percorri meio mundo, e em 2009 planejo percorrer a outra metade (risos). É um privilégio voltar a cantar em tantos e tantos países, onde o público é sempre tão generoso. Estou muito agradecido. No ano que vem voltarei a me apresentar na América do Sul, na Europa, na Ásia e na Austrália. - As duas passagens pelo Brasil neste ano estavam no programa da turnê ou você voltou em novembro por conta do sucesso dos shows em março? - Em março fiz 10 concertos no Brasil, e levei belíssimas recordações de cada um deles. O público brasileiro é uma maravilha, e quero aproveitar esta entrevista para agradecer seu afeto e apoio em todos esses anos. O Brasil sempre ocupou um lugar especial no meu coração, e quando, depois de março, surgiu a oportunidade de voltar para uma nova série de shows em novembro, não tive dúvidas, aceitei na hora. - O que o público brasileiro tem de diferente de suas outras platéias pelo mundo? - Os brasileiros são apaixonados pela música. Levam ela no sangue, é algo que se nota. É um público que se entrega ao artista absolutamente, e o artista acaba se apaixonando por ele para sempre. - Julio, você tem fama, dinheiro, coisas com que todo mundo sonha. Por que segue fazendo shows em ritmo tão intenso? - Porque a música é minha vida. É o que faço há 40 anos e, enquanto Deus quiser e me der saúde, continuarei cantando com a mesma fantasia, e com a mesma vontade de aprender que tinha quando comecei minha carreira.