Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Apresentadora Luize Altenhofen comenta polêmica saída da Band

Depois de seis anos, Luize Altenhofen deixa a Band e explica como foi a sua saída da emissora. A apresentadora fala sobre o assunto com exclusividade à CARAS Online, conta o que vai fazer neste carnaval e revela ainda planos para o futuro

Redação Publicado em 27/01/2012, às 02h29 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Luize Altenhofen - Divulgação/Band
Luize Altenhofen - Divulgação/Band

Ano novo, vida nova para a bela Luize Altenhofen (32). No início de janeiro, a apresentadora não chegou a um acordo com a Band, onde permaneceu por cerca de seis anos, e agora não faz mais parte do elenco da emissora paulista. O ocorrido gerou polêmica por causa dos comentários e especulações sobre o assunto. Em conversa com a CARAS Online, a gaúcha que é considerada uma das musas do jornalismo esportivo, explica o que aconteceu e fala de planos para o futuro.

Como foi sua saída da Band?

Foram seis anos na Band. Trabalhei no esporte e no entretenimento. Fiz muita coisa lá. Band Esporte Clube, Popcorn, Band Folia, Festival Folclórico de Parintins, Olimpíadas, Jogos Panamericanos, Vídeo News... Mas de uns tempos pra cá, estava trabalhando muito pouco... Fazendo alguns eventos da emissora e alguns programas ao vivo, como o Vídeo News, por exemplo. O fato é que eu não gosto de ganhar sem trabalhar. Estava me sentindo mal com isso e queria mais. Estava desmotivada. Foi quando, no fim do ano, dia 16 de dezembro, me chamaram na emissora. Eu já estava com viagem comprada para fora do país no Réveillon. Eles me disseram que eu teria que trabalhar no fim do ano. Como eles tinham prioridade na minha agenda, eu cancelei tudo sem problemas. Em seguida, me disseram que eu seria âncora no carnaval, no estúdio em São Paulo. Eu já havia assumido dois compromissos: seria madrinha da X-9 Paulistana e musa Vila Isabel. Assumi esses compromissos porque internamente já se sabia quem ia trabalhar na transmissão do carnaval e até então eu não tinha sido escalada. Avisei a Band e tentei conciliar tudo. Mas eles me fizeram escolher e não me deram opção. Cancelei a minha participação nas escolas e até fiquei feliz porque iria trabalhar num evento muito importante para a emissora. Além disso, me disseram também que a partir de janeiro eu seria a apresentadora do Vídeo News, edição da noite. Depois do ano novo, quando eu estava em Ubatuba, cuidando da minha guest house [uma espécie de pousada para convidados] e me preparando para voltar ao ar ao vivo no dia 5 de dezembro, me ligaram dizendo que queriam conversar. Voltei e fui direto falar com a direção. Eles queriam renegociar o meu contrato. Tanto eu, como a emissora, optamos pela não-renovação. Resumindo: não seria interessante nem para mim, nem para Band. Mas foi tudo feito em comum acordo e da melhor maneira possível.

Mas o que comenta-se é que você saiu da emissora por mau comportamento e que não cumpria ordens. Isso realmente aconteceu?

Isso não é verdade e é até injusto. Sempre honrei os meus compromissos com a emissora, sempre acatei as ordens e sempre dei prioridade a eles.

Quais são seus planos agora?

Com certeza vou seguir com a minha profissão. Sou jornalista por formação e também cursei educação física. Gosto muito do que faço, especialmente de jornalismo esportivo, mas também não descarto a área de entretenimento. Na televisão, tenho essa versatilidade. Sobre os meus trabalhos futuros, ainda é cedo para falar alguma coisa. Tenho também os meus negócios, como a guest house em Ubatuba, que eu adoro cuidar de perto e me dá ótima estabilidade financeira. Além disso, tem a minha principal função: sou mãe da Greta (2) [risos]. 

Como ficou a sua relação com a Band? Você está magoada?

De maneira nenhuma. Sou muito grata à família Band pela oportunidade e pelos seis anos de convívio. Fiz amigos, conheci ótimos profissionais e aprendi muito com eles.

Por que você resolveu falar publicamente só agora?

Não ia falar nada sobre o assunto porque não tinha o que falar. Mas agora resolvi me pronunciar porque foram publicadas inverdades sobre essa história em alguns veículos. Não teve mau comportamento. As pessoas na Band me conhecem bem e sabem como eu trabalho. Por isso permaneci esse tempo na casa. Na verdade, a primeira emissora aberta que me recebeu foi a Band em 1999. Depois disso passei pela Globo, com o quadro Calor no Domingão do Faustão. Segui para o SporTV, onde permaneci por sete anos e retornei à Band no começo de 2007.

Como vai ser o seu Carnaval?

Por enquanto, o que posso dizer é que retomei os meus compromissos com a X-9 Paulistana, que me recebeu de braços abertos. Sou madrinha da escola e não vejo a hora de pisar na avenida no dia 17. Descobri essa paixão por carnaval quando fui rainha de bateria da Renascer de Jacarepaguá em 2010.