Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Angelina Jolie e Brad Pitt têm elefantes barrados para casamento

Organização em defesa dos animais, PETA não gostou da ideia de Angelina Jolie e Brad Pitt de levarem elefantes ao casamento

Redação Publicado em 04/03/2013, às 16h57 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Brad Pitt e Angelina Jolie - Getty Images
Brad Pitt e Angelina Jolie - Getty Images

Angelina Jolie (37) e Brad Pitt (49) não conseguirão realizar todos os seus desejos em cerimônia de casamento do casal no final de maio deste ano. Depois de tabloides internacionais noticiarem que eles pretendiam dar mais “brilho” à festa com alguns pôneis e elefantes, a PETA (organização em defesa dos animais) manifestou sua insatisfação com essa possibilidade e divulgou um comunicado com suas explicações, de acordo com o site E!Online.

“Ter elefantes no casamento seria fora da ética de Angelina Jolie e Brad Pitt, que sempre valorizaram a família e que sempre doaram milhões para a proteção da terra e dos animais selvagens na África”, dizia trecho do comunicado.

“Eles provavelmente irão perceber que os elefantes usados como ‘enfeites’ em eventos e em outras formas de entretenimento são separados de suas famílias e mantidos acorrentados. Eles sabem que os elefantes são sensíveis e que merecem viver em paz”, acrescentava o texto divulgado pela PETA.

Apesar de não concordar com a ideia inicial de Angelina Jolie e Brad Pitt, antes de finalizar suas palavras, os responsáveis da organização desejaram felicidades ao casal. ”A PETA quer tudo de melhor na vida deles”, concluiu.

Na última semana, uma fonte chegou a revelar quais eram os planos de Angelina e Brad. “Os convidados vão passar por fontes de água e pôneis Shetland pulando quando entrarem pelo caminho de dois quilômetros que leva à casa. Quando estacionarem, eles vão ver a família dos elefantes. Brad espera que isso os faça rir. Aparentemente, os elefantes foram uma ideia das crianças”, contou. E agora, será que eles vão acatar a opinião da PETA?