tv

Nascida Arlete Silva, Fernanda Montenegro explica escolha do nome artístico

Nascida Arlete Silva, Fernanda Montenegro explica como escolheu seu nome artístico e fala sobre amizade com Nathalia Timberg, seu par romântico em Babilônia: "A gente competia em função do trabalho"

CARAS Digital Publicado terça 8 julho, 2014

Nascida Arlete Silva, Fernanda Montenegro explica como escolheu seu nome artístico e fala sobre amizade com Nathalia Timberg, seu par romântico em Babilônia:
Fernando Montenegro - TV Globo / Divulgação


Fernanda Montenegro é a estrela do programa Damas da TV que vai ao ar na sexta-feira, 18,  às 22h30, no Canal Viva.

Durante o programa, considerada a grande dama da TV brasileira, relembra grandes momentos de sua trajetória pessoal e profissional.

Na entrevista, Fernanda conta que, há 50 anos, houve uma transformação na profissão graças ao trabalho na TV, o que proporcionou um salto em qualidade de vida para ela e seus colegas. "Todos nós éramos muito jovens. A chegada das novelas nos dava um ganho a mais. Isso foi vindo conosco à medida que abria um novo caminho de comunicação, de dramaturgia e de jogo cênico, além de ajudar no dia a dia a pagar contas, criar filhos e cuidar da saúde", afirmou.

A atriz também fez questão de destacar a parceria com Nathalia Timberg, com quem fará par romântico em Babilônia, novela que substituirá Império. "Trabalhei com ela a vida inteira, durante muitos anos. Nós nos encontramos no Grande Teatro Tupi, na Excelsior, e durante dez anos dividimos todo um repertório extraordinário. Uma vez, escrevi para ela uma carta exaltando as suas qualidades de mulher e de atriz. A gente competia, claro, mas não era em função de nós mesmas. A gente competia em função de um trabalho, o que é muito diferente. Então, eu destaco nessa vida de companheirismo, de novela e de atuações, a figura da Nathalia", explicou.

Aos 84 anos, a atriz, cujo nome de batismo é Arlette Pinheiro Esteves da Silva, também explicou como, ainda adolescente, escolheu o pseudônimo Fernanda Montenegro. "Tirei do século XIX, de livros como o Conde do Montecristo e das Fernandas dos romances franceses. O nome que eu usava no rádio era Arlete Pinheiro. Ficou essa esquizofrênica que vocês estão vendo", explicou.

Apesar do tom de brincadeira, ela conta como lida com essa dupla identidade. "Acho que sou duas pessoas. Está de acordo com a minha profissão. O velho Shakespeare já tinha razão, somos todos atores. Sei que sou também a dona Arlete. Essa é bem resguardada. Poucos me chamam ainda assim. Uma prima, um primo. Meus pais me chamavam também, minha irmã. Mas é para uso interno. Eu acho bom. Dentro de uma toca. E tem essa outra entidade aí, que, de vez em quando, se exibe muito", finalizou.

Último acesso: 25 May 2020 - 17:02:51 (250270).