Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
TV / TRISTEZA

Grande dama da dramaturgia, Léa Garcia morre aos 90 anos antes de ser homenageada

Léa Garcia morre horas antes de ser homenageada durante o Festival de Gramado; atriz também faria próxima novela das nove

Gustavo Assumpção

por Gustavo Assumpção

gassumpcao@caras.com.br

Publicado em 15/08/2023, às 09h15

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Léa Garcia morre horas antes de ser homenageada - Reprodução/ Instagram
Léa Garcia morre horas antes de ser homenageada - Reprodução/ Instagram

Uma das grandes damas da dramaturgia, a atriz Lea Garcia morreu nesta terça-feira, 15, aos 90 anos. A artista estava em plena atividade e aguardava no Rio Grande do Sul, a homenagem que receberia no Festival de Gramado

 A informação foi confirmada pelos familiares da estrela em uma publicação nas redes sociais. "É com pesar que nós familiares informamos o falecimento agora na cidade de Gramado da nossa amada Léa Garcia", diz a mensagem que não deu mais detalhes sobre a causa.

A estrela era considerada uma das melhores atrizes da história da dramaturgia brasileira e era referência para muitas artistas. Recentemente, Taís Araújo inclusiveprestou uma homenagem para a dama - ela foi convidada para participar de Mister Brau, seriado da Globo.

"Agora ela é a mais experiente de nós e a ela devemos respeito e o reconhecimento de que só está sendo possível, porque ela abriu os caminhos. Obrigada Léa, obrigada por tudo. Te amo, te honro e te respeito", declarou na legenda da postagem. 

ATRIZ FOI UM ÍCONE

Lea Garcia foi uma pioneira nas artes dramáticas. Tem em seu currículo um feito raro: a indicação ao prêmio de melhor interpretação feminina no Festival de Cannes em 1957 por sua atuação no longa Orfeu Negro, considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

Entre outros papeis marcantes, a atriz estrelou a histórica montagem de Orfeu da Conceição (1956) no Theatro Municipal do Rio de Janeiro e o longa Filhas do Vento, pelo qual ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Gramado em 2003.

Sempre presente em novelas da Globo, o último trabalho da atriz foi em Sol Nascente (2017). Ela ainda atuaria nos seriados Arcanjo RenegadoMister Brau. Ela era uma referência para atores e atrizes negros, já que foi uma das que conseguiram romper o racismo nas produções dramatúrgicas.