Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Teatro / Elenco

Gabi Camisotti revela como é trabalhar com Eduardo Sterblitch no teatro

A atriz Gabi Camisotti está no elenco do musical Beetlejuice, que é protagonizado por Eduardo Sterblitch, e conta detalhes sobre o projeto

por Priscilla Comoti

pcomoti_colab@caras.com.br

Publicado em 05/12/2023, às 17h51

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Gabi Camisotti faz parte do elenco do musical Beetlejuice - Foto: Reprodução / Instagram; Divulgação
Gabi Camisotti faz parte do elenco do musical Beetlejuice - Foto: Reprodução / Instagram; Divulgação

A atriz Gabi Camisotti está radiante com seu novo desafio profissional. Ela está no elenco do musical Beetlejuice, no qual interpreta Skye e Lydia Alternante, e conversou com a CARAS Digital sobre os bastidores do projeto. Inclusive, ela contou como é trabalhar com o ator Eduardo Sterblitch, que é o protagonista do musical. 

"Eu me sinto tão repetitiva falando isso, mas sinceramente não tem palavra melhor do que “AULA” se referir ao Sterblitch. Eu não me canso de assisti-lo pela coxia e me impressionar em como ele mantém tudo tão vivo! Eu trabalho faz bastante tempo com musical mas me vejo como uma atriz em formação - na realidade acredito que todo artista esta sempre em formação - então ter esse encontro nessa altura da minha carreira é transformador", disse ela, que entrou para o elenco do espetáculo por meio das audições. 

Confira a entrevista:

-Como foi receber a notícia de que estaria no elenco do musical?
Eu estava muito orgulhosa do que tinha entregado na sala de audição e dei o meu melhor dentro do nervosismo típico da ocasião. Eu queria fazer a peça, independente da função que fosse desempenhar. O que de fato me surpreendeu foi o resultado: dar vida a Skye e a Lydia. Ter a oportunidade de contar essa história de dois prismas tão divertidos e distintos.

-Como é trabalhar com o Eduardo Sterblitch? Vocês já se conheciam? 
Eu me sinto tão repetitiva falando isso, mas sinceramente não tem palavra melhor do que “AULA” se referir ao Sterblitch. Eu não me canso de assisti-lo pela coxia e me impressionar em como ele mantém tudo tão vivo! Eu trabalho faz bastante tempo com musical mas me vejo como uma atriz em formação - na realidade acredito que todo artista esta sempre em formação - então ter esse encontro nessa altura da minha carreira é transformador.

-Como foi a construção da sintonia de vocês para o musical?
Somos em três Lydias: Ana Luiza Ferreira divide o papel comigo e com a Lara Suleiman. Então temos uma sorte imensa do Edu e o João Telles (que também alterna no papel) serem o Beetlejuice, ambos generosos, pacientes e inspiradores que jogam e trocam com cada uma de nós deixando a gente a vontade de propor e construir a nossa identidade. Não seria possível sem a experiência deles. 

-Como foi sua preparação para o musical?
Eu vivo estudando. Simplesmente intensifiquei as aulas que já cursava de canto e dança e trabalhei as cenas de Skye e Lydia em coachings individuais. As pesquisas por material que conversava com a história também foi uma parte fundamental. Referências tanto de musicais com a linguagem parecida mas também de filmes. 

-Você tem algum momento marcante que já viveu no musical Beetlejuice ou nos bastidores e que sempre lembrará?
Eu estou vivendo nesse momento: a presença da minha família. Eu tenho uma mãe e pai corujas, eles assistem a peça absolutamente todas as semanas. É um carinho, um cuidado e uma força que vou levar pra sempre. Eu lembro do dia em que estreiei de Lydia e sentir o acolhimento de toda equipe nas coxias e da minha família na plateia me fez me sentir em casa!

-Você é jovem, mas tem uma longa carreira. Como é se ver nos palcos hoje em dia? 
O palco é minha casa. Definitivamente os novos desafios são combustível para deixar tudo sempre com gosto de novo. Então, termina que pra mim todo dia acaba sendo uma estreia mesmo depois de tanto tempo. Só que agora, existe uma bagagem e uma experiência que permitem com que eu me divirta mais.

-O que é mais legal e o mais chato em ser atriz? 
O mais legal tem a ver com o que falei sobre sempre ser uma novidade. Cada trabalho novo é todo um universo e uma vida nova a ser explorada e isso é muito cativante. Já a parte “chata” com muitas aspas, seriam as concessões que  temos que fazer devido ao cuidado excessivo, principalmente em teatro musical, que devemos ter com nosso instrumento vocal e corporal. Me ausento muito de ocasiões sociais e até familiares em função do meu trabalho. Acabei ja perdendo algumas “páscoas”. 

-Você tem o desejo de seguir apenas nos palcos dos teatros ou quer se aventurar na TV e no cinema?
Com certeza cinema e TV estão nos meus planos/vontades/sonhos. Já tive a oportunidade de participar de “Uma Garota Comum” que estreia ano que vem na Disney Plus e foi uma experiência maravilhosa que deixou o gostinho de quero mais. Eu tenho paixão pelo cinema e com certeza quero explorar essa área. 

-Qual é o sonho que ainda quer realizar na vida?
Além de audiovisual, tenho planos de estudar fora também. Ter mais ferramentas e recursos para executar tantos personagens e obras que ainda tenho vontade de fazer. Mas só quero fazer quando me sentir pronta para tal. Degrau por degrau.