Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Revista / Capa

A memória de Gugu Liberato

A feliz vida do apresentador

Revista CARAS Publicado em 29/11/2019, às 13h54 - Atualizado às 14h28

Gugu com a família, em foto de 2019 - Arquivo pessoal
Gugu com a família, em foto de 2019 - Arquivo pessoal

Um infeliz acidente doméstico em seu luxuoso local de descanso em Orlando tirou a vida de Gugu Liberato, aos 60 anos. Sempre discreto em sua vida pessoal, o apresentador da RecordTV teve uma relação única e muito próxima com CARAS ao longo de anos, com 12 capas principais e 22 destaques em outras. Era afável, educado, solidário e alegre, e assim ficou sua imagem perante os familiares que deixou, a companheira Rose Miriam di Matteo (55), os filhos João Augusto (18) e as gêmeas Sofia e Marina (15), a mãe, Maria do Céu (90), e os irmãos, Aparecida (65) e Amandio, além de amigos e companheiros de trabalho. Para além da figura simples e discreta da vida pessoal, estava a de um dos grandes comunicadores da TV brasileira, uma referência para seus pares, que nasceu na produção do Programa Silvio Santos vendendo ideias para o “patrão” por 50 cruzeiros até ganhar, enfim seus programas Sessão Premiada e Viva a Noite.

Segundo a família, Gugu estava em sua casa em Windermere, a 17 minutos de distância dos parques da Disney, com cerca de 630 metros quadrados de área, seis quartos, piscina, spa, e fazia um reparo no ar-condicionado embutido no teto, pelo sótão, quando caiu de uma altura de 4 metros, batendo, na queda, a cabeça em um móvel de madeira. Era quarta-feira, 20, quando Gugu foi levado ao Orlando Health Medical Center. Mantido na Unidade de Terapia Intensiva em grave escala de Glasgow de 3, que mede consciência e evolução de lesões cerebrais, foi examinado por médicos, incluindo um brasileiro, chamado pela família. “Este é um momento que jamais imaginamos viver”, começou o comunicado da família, que confirmou a morte dois dias depois, após constatar ausência de atividade cerebral. “Nosso Gugu sempre viveu de maneira simples e alegre, cercado por seus familiares e extremamente dedicado aos filhos. E assim foi até o final da vida (...) Gugu sempre refletiu sobre os verdadeiros valores da vida e o quão frágil ela se revela. Sua partida nos deixa sem chão, mas reforça nossa certeza de que ele viveu plenamente. Fica a saudade, ficam as lembranças — que são muitas — e a certeza que Deus recebe agora um filho querido, e o céu ganha uma estrela que emana luz e paz”, finalizou a família, que informou que todos os órgãos do apresentador foram doados, segundo sua vontade.

Tanto Gugu quanto Rose tinham uma rotina de trabalho plena — ela continuou atuando como médica e aproveitava o período de atividade escolar intensa dos filhos para isso. Em família, um dos principais passeios era visitar o sítio da avó, Maria do Céu (90) — o avô, seu Augusto, morreu em 2009.

CARAS acompanhou vários momentos importantes de Gugu, como a confirmação de seu batismo em 1999 pelo padre Marcelo nas águas do rio Jordão, em Yadernit, no mesmo lugar em que Jesus Cristo foi batizado por João Batista, há quase 2000 anos. Ou quando ele e Xuxa (56) batizaram Camilly, filha de Xanddy (40) e Carla Perez (42), em 2002.

A religiosidade estava muito ligada à família e Gugu deixava claro isso quando perguntado por CARAS qual seu maior sonho. “O mais importante é ver meus filhos crescerem com saúde”, disse.

Antes de se tornar pai, Gugu mostrou sua intimidade pela primeira vez para a revista, posando com a então namorada , em 1994, em sua casa no Guarujá, litoral de SP. A reportagem mostrava momentos alegres do casal, deitado na cama de roupão, lendo. Tempos depois, em 2001, a paternidade chegava. “Vocês não sabem a alegria que senti ao saber que serei pai”, afirmou no estágio em que Rose estava no terceiro mês de gestação. Na época do nascimento do primeiro filho, João, as atenções ficaram voltadas para ele, e Rose até parou de trabalhar por um período. “Demorei tanto para escolher a mãe de meu filho, mas tenho plena certeza de que escolhi a mulher certa. Ela é uma mãe maravilhosa”, celebrou Gugu na ocasião.

Em 2004, chegavam as gêmeas Sofia e Marina. “Estou feliz como jamais pensei ser possível. Ser pai é uma bênção, a melhor coisa do mundo! Meus filhos são maravilhosos”, afirmou Gugu. Ele mostrou para CARAS o quartinho cor-de-rosa das meninas, o berço extra instalado na sala, um recinto repleto de brinquedos decorado com uma plaquinha com o nome do trio... “O maior trabalho é reconhecer qual a Marina, qual a Sofia. Quase nunca choram ou choramingam”, brincou Gugu. As crianças cresciam e o apresentador se sentia cada vez mais pleno no papel de pai. CARAS acompanhou uma viagem da família à Costa do Sauípe, Bahia, em 2008, com as meninas com 4 anos e João, aos 7. “Cada um tem um temperamento diferente. O João é muito na dele. É tímido, bonzinho, amigo e companheiro. A Marina é meiga demais, a Sofia também. Mas a Marina tem um jeito peculiar. A Sofia é o amor em pessoa. Quando menos se espera, abraça e beija”, se derretia Gugu. Ao mesmo tempo, se divertia com a fama e a maneira como era visto pelos filhos: “As crianças não compreendem direito porque o pai é famoso. João sabe, mas as meninas não entendem e perguntam ‘pai, por que todo mundo sabe o seu nome?’”.

Enquanto isso, nesse mesmo momento, Gugu dava uma guinada em sua carreira: em 2009, ele deixava o SBT, depois de 35 anos à frente da câmera, e ia para a Record. O período tido como o de sucessor de Silvio Santos (88) foi de sucesso e crescimento profissional, com Gugu ampliando seus negócios para além da TV, empresariando boy bands como Dominó e Polegar, administrando sua produtora, a GGP, entre outros empreendimentos. No Viva a Noite, lançou a música O Baile dos Passarinhos, que cantava e dançava com bailarinas e grudava na cabeça tanto de adultos quanto crianças.

O sucesso era tanto que Gugu começou a ser assediado pelo principal adversário do SBT, a Globo. Em 1987, chegou a assinar com a emissora carioca e, numa manobra nunca vista na TV brasileira, o próprio Silvio foi até o dono da concorrente, Roberto Marinho (1904–2003), pedir para cancelar o acordo — ele via Gugu como seu sucessor. “Eu não podia dizer não para a Globo e Silvio disse que ele, sim, podia. Pegamos um avião em Congonhas e chegamos ao Jardim Botânico na sala do Boni, que estava almoçando. Naquele momento, a Globo inteira sabia que Silvio estava lá.” Silvio conseguiu e Gugu aumentou seu prestígio, com salário milionário e ganhando espaço dominical para suas atrações, como Passa ou Repassa e Cidade contra Cidade, além de dividir com o próprio patrão a apresentação de Roletrando. “Não me arrependo de nada. Fiquei mais 21 anos no SBT, de 1974 a 2009. Trabalhar com o Silvio foi um privilégio”, comentou Gugu.

Quadros como a Banheira do Gugu traziam polêmica pela sensualidade — Luiza Ambiel e outras modelos de biquíni tentavam impedir que celebridades masculinas pegassem sabonetes lançados ao fundo da banheira —, mas eram os mais comentados no domingo. Outro quadro popular e assunto da segunda-feira no trabalho era o Táxi do Gugu, em que o apresentador se disfarçava de taxista com barba, boné, barriga, cabelo diferente e improvisava pegadinhas com os passageiros. Sua veia cômica simples despontava, realçada pelas ótimas maquiagens.

Inventivo, ia atrás de novas atrações, como o quadro TV Animal ou o Sabadão Sertanejo, aproveitando o gênero musical em moda. Lançou discos e, popular, participou de filmes com amigos célebres como Xuxa (56), Angélica (45) e Os Trapalhões.

Em 2009, após 35 anos no SBT, Gugu se permitiu inovar ao aceitar o desafio de comandar o Programa do Gugu, atração que foi ao ar aos domingos na RecordTV. Diferentemente do que imaginava, a separação do patrão Silvio aconteceu de forma bastante tranquila, amigável. “Não poderia ter sido melhor. Relembramos histórias de quando comecei a trabalhar para ele como office-boy, do dia em que me convidou para virar apresentador, dos problemas que enfrentamos em todos esses anos. Depois de selarmos o fim do contrato, eu e Silvio nos abraçamos e demos as mãos. Foi uma coisa muito simpática”, contou, na época. As portas da antiga casa não haviam sido trancadas a sete chaves. “Ele me disse: ‘Desejo a você todo sucesso, Gugu. Mas, se não der certo, as portas do SBT estarão abertas’”, contou ele, na época. O programa ficou no ar até 2013. Em agosto de 2015, Gugu estreou novamente nas telas da emissora, desta vez com o semanal Gugu, em uma fase marcada por grandes e polêmicas entrevistas como Suzane Von Ritchthofen (36) e o ex-goleiro Bruno (35). Esse formato ficou no ar até 2017.

No ano seguinte, Gugu mais uma vez se reinventou na televisão e, pela primeira vez em sua carreira, assumiu a apresentação de um reality show durante a terceira temporada do Power Couple Brasil, uma disputa entre casais envolvendo um grande prêmio. Em 2019, Gugu seguiu com a quarta temporada da atração. Desde setembro, estava à frente da segunda temporada do Canta Comigo, uma versão nacional do inglês All Together Now, seu declarado “xodó” desde o lançamento, em 2018. “Ele é um sucesso no mundo todo”, disse Gugu que, resolveu diminuir o ritmo de trabalho. “Desacelerei minha vida profissional em função dos meus filhos e da minha família. Era uma loucura ter um programa semanal de quatro horas de duração e ao vivo. Fiz isso porque quis. A proposta da RecordTV foi muito boa porque trabalho alguns meses e fico de folga nos demais nos EUA”, contou. Com isso, Gugu vivia uma vida comum enquanto estava em Orlando. Havia mudado de Celebration, bairro projetado pela Disney, para Windermere, por ficar a 10 minutos da escola dos filhos. Publicava vídeos informais dizendo que ia visitar uma venda de garagem de uma família no bairro e se dedicava a uma nova atividade: criar enormes quadros usando de rolhas de vinhos.

Os últimos momentos de Gugu no hospital foram acompanhados por toda família, incluindo a mãe. Com a doação dos órgãos, divulgaram um texto em primeira pessoa de Gugu: “Agora sigo adiante por um caminho que me levará mais próximo ao Pai”.