Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Balde de gelo: Pamela Anderson acusa ALS Association de torturar animais em testes

Atriz se recusou a fazer o desafio do balde de gelo e pediu para a ALS Association interromper os testes feitos em animais

CARAS Digital Publicado em 22/08/2014, às 09h59 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Pamela Anderson - Getty Images
Pamela Anderson - Getty Images

Pamela Anderson foi desafiada na campanha do balde de gelo, que já arrecadou mais de US$ 31 milhões para a ALS Association, que irá reverter o valor para investimentos em pesquisas de tratamento para a esclerose lateral amiotrófica. Acontece que a atriz percebeu que não concorda com a organização e resolveu propor um desafio para ALS: que eles parem de fazer testes em animais. 

Ativista da causa animal e uma das famosas que mais divulgam o PETA (People for the Ethical Treatment of Animals), Pamela explicou sua decisão de não tomar o banho com balde de gelo no Facebook e causou polêmica. "Desculpe, eu não posso fazer o seu desafio do balde de gelo. Eu gosto de um bom desafio, é sempre bom nos tornar conscientes de um jeito divertido e criativo. Eu não quero tirar isso de vocês, mas me peguei pensando. Indo um pouco mais a fundo. Eu descobri que talvez nossas mensagens não estejam alinhadas", começou. 

"Recentes experimentos feitos pela ALS Asssociation, deixaram ratos com furos nos ossos, foram infectados com doenças horríveis, e forçados a correrem em uma esteira inclinada até eles entrarem em colapso por exaustão. Macacos tiveram produtos químicos nos cérebros e nas costas e depois foram mortos e dissecados. Qual o resultado destes experimentos (outro, além de muito sofrimento)? Na última década, apenas uma dúzia dos experimentos da ALS passaram para a fase de testes em humanos, depois que mostraram como aliviar a doença em animais. Mas todos menos um destes tratamentos falharam nos humanos - e este um que foi aprovado oferece benefícios marginais para os humanos afetados com a ELA. Esse alto índice de falha nos testes é típico em experimentos com aimais, porque mesmo sabendo que os animais sentem as dores e sofrem como nós, os organismos deles reagem de um jeito diferente dos nosso. De acordo com a FDA (órgão que regulamenta os alimentos e os remédios nos Estados Unidos), 92 de cada 100 testes medicianais em animais falham nos testes em humanos", continuou. 

Pamela encerrou com o desafio para a organização, pedindo para que eles parem de torturar animais em suas pesquisas.