Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Pascal, do latim paschale, diz respeito à Páscoa, festa cristã da ressurreição...

...de Jesus. Sua origem está no Pessach hebreu, de início a comemoração da primavera e, mais tarde, da saída dos judeus do Egito, que teve o sentido de libertar, do latim libertare, aquele povo.

Deonísio da Silva Publicado em 05/04/2007, às 12h41

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Deonísio da Silva
Deonísio da Silva
Explicar: do latim explicare, esclarecer, tirar dúvidas, explicar. O verbo formou-se a partir de plicare, dobrar, enroscar, antecedido do prefixo ex, que indica movimento para fora. Quanto mais complexos, mais explicações demandam os textos, daí o valor inestimável, na leitura de textos religiosos, da ajuda do exegeta, do grego eksegetés, guia, do verbo grego eksegéomai, conduzir. Os exegetas começaram seu ofício explicando oráculos, sonhos e presságios, e passaram depois a interpretar textos sagrados. Na explicação destes últimos, ganhou destaque o estadista, filósofo e financista judeu-português Isaac ben Judah, ou Yitzchak ben Yehuda Abravanel (1437-1508). Libertar: do latim medieval libertare, libertar, formado a partir de liberto, do latim libertus, escravo que ganhou ou obteve a liberdade. O verbo surgiu para designar a ação de livrar alguém de castigo, pena, multa ou da perda da liberdade. O papel de libertador tem relevância na figura de Jesus Cristo, embora prevaleça o de redentor, seu sinônimo, com sutis diferenciações de sentido. Muitos séculos antes que Oskar Schindler (1908-1974) organizasse a lista que ajudou a salvar judeus do holocausto - tornada conhecida pelo filme A Lista de Schindler, de Steven Spielberg (60) -, o judeu-português Isaac ben Judah ou Yitzchak ben Yehuda Abravanel organizou a sua, para evitar que judeus fossem vendidos como escravos no Marrocos. Por duas vezes, ele teve os bens confiscados, primeiro pelo rei português Dom João II (1455-1495), em 1483, e depois pelos franceses, quando estes invadiram Nápoles, em 1495. Quando a Espanha expulsou os judeus, Abravanel ofereceu 30 mil ducados aos reis católicos para anular o decreto, proposta que foi recusada. Romeu Tuma (74) era delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), em São Paulo, em 1980, quando autorizou a libertação de um preso para visitar a mãe, Eurídice Ferreira de Melo, a dona Lindu, internada no Hospital Beneficiência Portuguesa, e depois fosse ao enterro dela. Esse preso era o atual presidente Luiz Inácio Lula da Silva (61). Pascal: do latim eclesiástico paschale, pascal, relativo à Páscoa, festa cristã que comemora a ressurreição de Jesus. A celebração é herança de antigo costume de pastores nômades hebreus, que festejavam o Pessach, passagem, no caso, do inverno para a primavera, depois adaptado por Moisés para lembrar a saída do povo hebreu do Egito. Sua data muda todos os anos porque é celebrada no primeiro domingo após a Lua cheia do equinócio de março. Em latim, escreve-se pascha, mas também pascua, plural de pascuum, pasto, sinônimo de pastum, que se confundiu com os alimentos da festa, e vinculado a pastor, o ofício principal do nômade. A Torá, lei de Moisés, e a Bíblia, nela baseada, dizem que eram 600 mil os israelitas que partiram, mas o exegeta judeu francês Rabbi Shlomo Yitzhaqi (1040-1105) esclarece que nem todos eram judeus, pois a eles se juntaram nações pagãs. A festa também tem como símbolos os ovos e o coelho, porque lembram, respectivamente, a origem da vida e a fertilidade. Já o costume de comer chocolate na festa procede de países nórdicos. Tática: do grego taktiké, tática, habilidade nas manobras do exército no campo de batalha. No sentido metafórico é a habilidade para lidar com qualquer situação. Metáfora significa originalmente transporte. Transporta-se a palavra de um para outro lugar, com o fim de designar outra coisa. Signo: do latim signum, sinal, símbolo. Entre outros significados, tem o de identificar cada uma das doze constelações do zodíaco, do grego zodiakós, círculo dos animais - porque prevalecem seus nomes, como em Carneiro, Touro, Leão, Peixes, Caranguejo, Capricórnio, Escorpião, embora convivam com Balança, Sagitário, Aquário, Virgem e Gêmeos. De acordo com sua certidão de nascimento, Lula é do signo de Balança, ou Libra, pois em seus documentos consta ter nascido em 6 de outubro de 1945. Mas, de fato, ele veio ao mundo em 27 de outubro. Era costume das famílias pobres registrar os nascimentos tempos depois de nascidos os filhos. Foi o que fez o pai de Lula, Aristides Inácio da Silva, falecido em 1978. O registro do menino foi efetuado quando a família já morava em Santos (SP), e não mais em Garanhuns (PE), onde ele nasceu. Quem faz o horóscopo do presidente Lula deve prestar atenção nesse detalhe, pois as marcas de caráter e as previsões de destino, para quem acredita na influência dos astros, para os nascidos em Balança são umas, para os de Escorpião, outras.