Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Passeio de Miguel Rômulo em Goiás

De férias da TV, o ator faz sua estreia nas águas termais

Redação Publicado em 07/06/2010, às 17h47 - Atualizado às 17h56

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
O ator faz seu primeiro mergulho com cilindro nas águas quentes do resort. - FRANCISCO CEPEDA
O ator faz seu primeiro mergulho com cilindro nas águas quentes do resort. - FRANCISCO CEPEDA
Ator e apresentador global, Miguel Rômulo (18), que viveu o Felipe na novela das 7 Caras & Bocas, encerrada em janeiro, e foi um dos apresentadores do programa infantil diário TV Globinho, foi com a mãe, Malu Vita (50), conhecer o Rio Quente Resorts, em Goiás. Lá, eles curtiram as piscinas naturais de águas termais, as cachoeiras, as aves tropicais do viveiro Bird Land e outras atrações do complexo de 49,7 hectares. "Fomos só nós dois e nos divertimos muito. Nunca tinha mergulhado com cilindro antes, achei demais. É um ótimo programa para quem quer relaxar e ficar em contato mais próximo com a natureza", afirma o jovem. Em cartaz no teatro com a comédia Tango, Bolero e Cha Cha Cha, no Rio, em que interpreta Denis, filho dos personagens de Edwin Luisi (63) e Maria Clara Gueiros (44), Miguel se diz excitado com a experiência nos palcos. "É a minha primeira peça e estou adorando. É interessante, pois é muito diferente da TV. Ali, recebemos o carinho do público imediatamente. Eles nos aplaudem, interagem, esperam na saída. É um contato mais que direto", vibra ele, que, no cinema, debutou ainda mais jovem, aos 13 anos, no filme Os Porralokinhas, com Heloísa Périssé (44). "Atualmente estou me dedicando apenas à peça, mas estou aberto a propostas de trabalho, claro. Nunca nego um convite, vivo aguardando meu próximo papel", diz. Com a recente maioridade, Miguel, que está solteiro e "tranquilo", tem se dedicado às aulas de direção para tirar a tão sonhada carteira de motorista. "Já fiz os testes teóricos e passei no psicotécnico, o que considero um bom sinal. O técnico disse que sou uma pessoa muito concentrada! Agora vou me preparar para as provas", conta Miguel, que, claro, não vê a hora de começar a dirigir pelo Rio.