Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Fernanda de Freitas: talento reconhecido

No último dia do Festival de Cinema de Paulínia os talentos do cinema nacional tiveram esforços reconhecidos através de prêmios que variaram entre R$5 e R$150 mil

Redação Publicado em 23/07/2010, às 11h51 - Atualizado às 13h18

Fernanda de Freitas recebendo prêmio de Melhor Atriz - Fábio Guinalz/AgNews
Fernanda de Freitas recebendo prêmio de Melhor Atriz - Fábio Guinalz/AgNews
O Festival de Cinema de Paulínia assumiu o posto de tapete vermelho nacional, ou seja, pode-se considerar que Paulínia está para o Brasil assim como Hollywood está para os Estados Unidos. Na noite dessa quinta-feira, 22, os talentos da sétima arte brasileira foram reconhecidos por sua atuação e engajamento. Fernanda de Freitas, ganhou o prêmio de melhor atriz, no filme Malu De Bicicleta, em que atua ao lado de Marcelo Serrado, que também foi agraciado na premiação e levou a estatueta de melhor ator. O filme cuja estória é baseada no livro de mesmo nome, do jornalista Marcelo Rubens Paiva, fala sobre a vida de um "galinha", o próprio Serrado, que se apaixona por Malu ao ser atropelado por ela e sua bicicleta. Quem também esteve presente no evento de premiação foi o ator Daniel de Oliveira, que em 2010 está no elenco do longa 400 contra 1. Ainda entre os premiados estão: Melhor Filme de ficção 5x Favela - Agora Por Nós Mesmos; Melhor Filme de curta-metragem - Eu Não Quero Voltar Sozinho ; Melhor Filme de curta-metragem regional - Depois do Almoço; e Melhor Documentário - Leite e Ferro. O grande premiado da noite foi "5x Favela - Agora Por Nós Mesmos" , cuja equipe de criação, produção e direção era proveniente de comunidades carentes do Rio de Janeiro. A coordenação geral do projeto ficou nas mãos do experiente Cacá Diegues, e as sete estatuetas conquistadas pelo grupo prova que tudo saiu melhor que o planejado. O longa veio como uma espécie de "revisão" do projeto de 1961, em que cinco diretores da classe média brasileira - mas politizados até a alma - registraram suas impressões sobre o cotidiano das favelas. Com repercussão internacional, o longa em questão foi propulsor do Cinema Novo. Na roupagem atual, a opinião fica nas mãos das pessoas que habitam os lugares sobre o qual discutem.