Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Carolina Dieckmann fala da dificuldade de fazer o sofrimento de Jéssica em 'Salve Jorge'

Carolina Dieckmann comenta o sofrimento da personagem Jéssica em 'Salve Jorge': 'É sempre difícil e doloroso quando você se emociona de verdade'

Redação Publicado em 12/11/2012, às 19h21 - Atualizado em 10/07/2020, às 12h25

Carolina Dieckmann como Jéssica em 'Salve Jorge' - Reprodução / TV Globo
Carolina Dieckmann como Jéssica em 'Salve Jorge' - Reprodução / TV Globo

A atriz Carolina Dieckmann (34) está se dedicando integralmente para dar o seu melhor na interpretação de Jéssica na novela Salve Jorge. Com todo o sofrimento da personagem, a artista revela que busca a bagagem emocional necessária em suas experiências na telinha. “Já passei por emoções fortes em novelas anteriores. Emoções compatíveis com a vivência de uma menina de 20 anos de idade. Hoje já aconteceram outras coisas na minha vida que me deram uma gama de caminhos para chegar à emoção. Não é nem mais fácil, nem mais difícil. Mas é sempre difícil e doloroso quando você se emociona de verdade”, afirmou ela ao site oficial do folhetim.

Tamanha é a carga emocionada de Jéssica que Carol até teve dificuldades em se desligar de uma das cenas que gravou. “Fiquei chorando muito tempo ainda. Tive que esperar”, contou ela, que revela como é o seu processo para entrar em cena. “Eu começo a gravar concentrada e a emoção é uma mágica que acontece na hora. Você vai focada para vir na hora certa, ou você fica desgastando a emoção. No momento de gravar, você solta para vir – e vem”.

Uma das cenas mais marcantes da personagem em Salve Jorge foi o momento em que a jovem é violentada sexualmente por Russo (Adriano Garib). Nesta sequência, Dieckmann comenta que não teve dublê, já que precisava viver a interpretação por inteiro. “A cena em si foi muito focada na emoção, naquilo que a Jéssica estava passando. Então, não teve dublê. O que foi ao ar não exigia um outro profissional, era uma cena de ator”, disse, completando. “Foi importante para chegar ao pós-estupro, porque foi uma construção de emoção. Tive que passar pelo processo todo, uma cena seguida da outra”.