Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Moda: Ready to Wear Fall 2010: Marc by Marc Jacobs

Antigos conceitos, novas regras.

por Bia Paes de Barros Publicado em 12/07/2010, às 13h46 - Atualizado às 13h47

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Modelagens soltinhas, referências militares e geometrias para uma coleção cheia de frescor. - MARCIO MADEIRA
Modelagens soltinhas, referências militares e geometrias para uma coleção cheia de frescor. - MARCIO MADEIRA
A segunda marca de um grande estilista pode exercer muitas funções. A primeira e mais importante delas está, sem dúvida, na possibilidade de brincar, resgatar ideias, testar antigas e novas fórmulas de fazer aquelas peças chegarem ao entendimento de seu consumidor com muita clareza. No caso de Marc Jacobs não é diferente. Além da Marc by Marc Jacobs trazer ao seu público preços mais convidativos que os de sua marca principal, ela acaba se tornando uma espécie de chamariz de novos e jovens clientes. Hoje pedem pela segunda marca e amanhã pedirão pela primeira. Trata-se de uma excelente estratégia não só para melhorar ainda mais o business como também para dar aquele gostinho de acessibilidade aos grandes nomes da moda. Para o seu inverno, o estilista trabalha exatamente os pontos que misturam peças comerciais com detalhes de styling que saem direto das passarelas para as ruas. Com uma coleção focada em conforto e frescor, tricôs multicoloridos e casacos militares ganham status de vestido com o auxílio de cintinhos muito bem colocados. Aliás, os cintos finos pedem novas e despretensiosas amarrações com efeitos de nó. Voltando às peças, calças mais curtas e volumosas nos quadris - a cara desta mulher descontraída - deixam o look cheio de estilo. E saias com shape evasê ganham recortes geométricos e uma nova versão de bolsos utilitários. Mesmo evidenciando referências militares em seu inverno, Jacobs procura deixá-las menos óbvias nos casaquetos com abotoamentos transpassados e nas camisas com manguinhas bufantes usadas com chapeuzinhos de pele. O jeans também ganha destaque, com lavagens escuras no melhor estilo alfaiataria cool. Para os acessórios, bolsas grandes bem casuais e botinhas com ares rétro. Tudo parece seguir um caminho jovem e ao mesmo tempo nostálgico. Tudo parece seguir à risca os conceitos que fazem de uma segunda marca um grande sucesso.