Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Esporte / Copa

Ivete Sangalo classifica disputa por hino da Copa no Brasil como 'guerra'

Ivete Sangalo fala sobre disputa de artistas brasileiros para gravar o hino da Copa do Mundo de 2014 e comenta os protestos que aconteceram no país

CARAS Online Publicado em 07/08/2013, às 08h24 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Ivete Sangalo - Arquivo
Ivete Sangalo - Arquivo

Prestes a estrear uma nova turnê nos Estados Unidos, Ivete Sangalo deu mais uma entrevista à Billboard, que novamente chama a baiana de ‘rainha’. Além da turnê, dois assuntos importantes foram abordados no bate-papo com a cantora: os recentes protestos que aconteceram no Brasil e a disputa dos artistas para cantar a música tema da Copa do Mundo de 2014.

A Billboard cita que a música Sorte Grande, gravada por Ivete em 2003, se tornou um hino do futebol no Brasil e que a cantora é a favorita para gravar o tema da próxima Copa do Mundo. Ela negou que já tenha sido escolhida pelos organizadores do evento. “Muitos, muitos artistas daqui estão fazendo uma música para a Copa do Mundo, é como uma guerra. Cada gravação, cada disco tem uma música para a Copa do Mundo. Eu não gosto de fazer músicas para isso ou aquilo. Eu tenho minha própria energia. E tem que ser algo espontâneo”, disse.

+ Ivete Sangalo vai a première de filme da Disney em Los Angeles

Sobre os protestos, Ivete apoiou o direito dos cidadãos reivindicarem seus direitos nas ruas. “Nós somos parte disto. Eu tenho muitos, muitos fãs. Eu dei minha opinião, mas eu não quis incendiar algo porque eu sou uma artista e não um político. E eles confiam em mim. Eu sou uma artista, mas eu sou uma cidadã. Eu grito pelos meus direitos com eles. O Brasil está mudando lentamente porque estamos crescendo muito rápido. As pessoas aqui estão prestando atenção em tudo que acontece na nossa volta”, falou.

A cantora também comentou que existem muitas coisas que precisam ser ‘concertadas’ no Brasil. “Nós somos um país rico, mas há muitas coisas para fazer. Eu tenho 41 anos. Eu vi muitas, muitas mudanças. Acho que chegou a hora de dizer para os políticos o que é certo para nós. Sem cantar, sem show, sem festa, apenas dizendo para eles”, declarou.

+ ‘Ivete Sangalo é a incontestável rainha do axé’, diz a Billboard americana