Mallandro: 'A minha alegria incomodava'

Há tanto tempo longe dos holofotes, ninguém acreditava que Sérgio Mallandro entraria na 'Fazenda' fazendo 'glu-glu ié-ié'

Publicado quarta 10 novembro, 2010

Há tanto tempo longe dos holofotes, ninguém acreditava que Sérgio Mallandro entraria na 'Fazenda' fazendo 'glu-glu ié-ié'
Sergio Mallandro - EDU MORAES/RECORD
Após trabalhar uma década ao lado de Silvio Santos, seu 'padrinho' e professor na escola da televisão, o humorista e apresentador Sérgio Mallandro foi trilhar seu próprio caminho. Depois de ser jurado do Show de Calouros, o mais conhecido dos programas de auditórios da TV brasileira, ele voltou suas energias para o público infantil e fez a cabeça da garotada da década de 80. E nesses anos todos, Mallandro transitou por programas que pudessem divertir o público infantil e adulto. De humor escrachado e popularesco, Mallandro volta ao 'palco' com o que existe de mais moderno no mundo do humor: um stand-up comedy! E do moderno que se une ao popular - quem diria! - o bonachão do Mallandro adquiriu uma áurea 'cult', o que ele explica pela seguinte razão: "O frentista do posto me cumprimenta e fala que adorava meu programa, que me assistia quando era criança. Um advogado pode brincar comigo fazendo 'gluglu iéié'. Quer dizer, eu fiz a alegria da meninada sem distinguir classe social" . Nesse meio tempo, ele acreditou na política, chegando a lançar candidatura ao cargo de vereador na cidade de São Paulo. Não eleito, hoje em dia ele afirma que aquilo foi um 'lapso' em sua trajetória, pois ele nascera para ser artista e não político. Na entrevista abaixo, saiba desses e de outros detalhes sobre a vida de Sérgio Mallandro, o terceiro eliminado de A Fazenda 3, da Record. - Como você avalia sua participação no reality show? - Superpositiva! Adorei participar, até porque eu era muito curioso pra saber se era manipulado, mas vi que não tinha nada disso. Eles foram me buscar em casa, me 'jogaram' numa van toda escura e me levaram para um hotel. Depois desse momento, você já não se comunica com mais ninguém. Passei uma noite no hotel e, no dia seguinte, me colocaram em outro carro todo escuro. Quando desci do carro, já vi os outros participantes, o Britto Jr., e o programa começava. Lá você acorda às 5 da manhã com os bichos gritando. Então, foi muito realista, não tem negócio de 'dirigir'. Fiquei lá um mês e tive que mudar muito a minha rotina, não sou de acordar cedo assim, e sem relógio. Cuidei de avestruz, de cavalo, fiz faxina, lavei louça, cuidei da horta, aprendi a reciclar o lixo. Aprendi muita coisa e não fiz nada para denegrir a minha imagem. A primeira semana fiquei meio louco, mas, depois você vai entrando no ritmo. Pena que quando estava me adaptando, pegando o jeito, tive que sair. Eu brinco que como eu só tive 48% dos votos, acho que essa votação deveria ter segundo turno. - No discurso de saída você disse que entrou na 'casa' para levar alegria. Você acha que conseguiu cumprir esse objetivo? - Eu tentava distrair as pessoas e a minha alegria incomodou alguns. Mas, com certeza, cumpri meus objetivos. Lá dentro da casa, eu me preocupava em interagir com as pessoas, inventava jogos, brincava e colocava todo mundo pra rir. Contei todo meu 'stand-up', inventei a dança da academia, do 'ieié' e do 'gluglu'. E eu sei que eu levei alegria, porque lá dentro as pessoas riam e aqui fora todo mundo vinha comentar que se eu ficasse mais tempo ia ser mais engraçado. - Você tem mais saudades dos animais ou de seus colegas (ou concorrentes) do programa? - Nunca tive muita afinidade com bichos, mas sempre respeitei e admirei. E, com essa oportunidade, eu percebi que eles precisam mesmo da gente. Você chega a conversar com eles. Também tem muita natureza, você aprende a reciclar e a fazer hortas. Tenho saudades do que eu vivi ali, aquilo ali é um programa de televisão. - Você ficou chateado com as acusações que fizeram Sergio Abreu e a Luiza Gottschalk? - Na hora fiquei chateado. Quando alguém te calunia, você fica chateado. E eles falaram que eu não trabalhava, que eu não sabia cuidar dos animais. Na primeira semana, eu era o 'fazendeiro da semana' e era meu papel ficar só supervisionando. Eles se incomodavam que eu ia tratar os animais e ficava 'brincando', e diziam que eu fazia um palco de qualquer situação. Mas se você tem mais de 500 câmeras te filmando, aquilo ali deve ser considerado um palco. O fato é que a minha alegria os incomodava. A forma como eu vou alimentar ou limpar o bicho é problema meu, o importante era tratar deles e isso eu fazia. Eu sou artista, não sou estudioso de animal. Eles me chamaram pensando 'pô, o Sérgio vai levar alegria pra casa'. Aqui fora sou do mesmo jeito: a vida pra mim é um parque de diversão. Quais eram seus planos, caso ganhasse o prêmio? - Eu tenho uma creche em Guarulhos e pretendia aumentar essa creche. Hoje em dia, nós atendemos 60 crianças e a ideia era aumentar para 200. Outro projeto que eu tinha era de ajudar a Tia Iara, que mantém um hospital para crianças com câncer no Rio de Janeiro. A tia Iara é uma pessoa de 'verdade', que há 30 anos dedica sua vida para cuidar de crianças. E eu, sempre que posso, a ajudo. Eu daria mais conforto para minha família também. O prêmio seria muito bem-vindo, é claro, mas esse dinheiro pode chegar de outras maneiras, então, não era minha prioridade. - De onde surgiu a ideia de se candidatar? - Como eu já tinha a creche em Guarulhos, achei que pudesse ajudar mais crianças. Eu pensei, acreditei, mas depois vi que aquilo não era muito minha praia. Não gosto de ficar de mãos atadas e não sei onde um político pode ir e articular 'as mãos' por si próprio. Achei que pudesse levar melhorias a outras crianças. Se eu pudesse ajudar todas as crianças do mundo, eu ajudaria. Criança é muito verdadeira. Não tenho interesse nenhum em me candidatar novamente, até porque eu não sou político, eu sou artista. - Você faz um tipo de humorista popular e, de uns tempos pra cá, começou a ganhar uma 'atmosfera' cult. Como você encara isso? - Eu posso fazer um show na FAAP ou na USP, que têm públicos diferentes, mas todos são jovens e cresceram comigo. Quando eles veem o Sérgio Mallandro, logo se lembram da infância. Pode ser um frentista, ou um advogado, os dois vão falar comigo do mesmo jeito. A reação é a mesma. Eu sou um cara que circula em tudo quanto é lugar, por isso recebi essa homenagem do Wagner Moura, Lázaro Ramos, no curta-metragem dirigido por André Moraes, a Ópera do Mallandro, que faz menção a uma música do Chico Buarque. Mas também já fiz um filme em que eu era o príncipe (risos). Cult ou popular, faço show pra 10 mil, 15 mil pessoas. A molecada fica louca! - Xuxa Meneghel e o próprio Silvio Santos estão ligados ao início de sua carreira. Gostaria que você falasse um pouco sobre sua relação com os dois apresentadores, que são ícones da TV brasileira. - Xuxa era minha parceira no [programa] Cidade contra Cidade. E eu inventei uma piada, dizendo que 'o anjo da guarda do Silvio devia estar dormindo naquele dia', quando ele escolheu a mim e não a ela. Desde então, tenho uma ótima relação com ele, volta e meia vou visitá-lo. O Silvio é uma pessoa maravilhosa, trabalhei mais de dez anos com ele e acho que deveria ter pagado para trabalhar e não receber. Porque ele é uma faculdade, aprendi muita coisa. Ele é o que temos de melhor na televisão, hoje em dia. E quanto à Xuxa, eu a conheço desde antes de ser artista. É uma pessoa que eu amo e respeito muito. Eu a vi começar, ela vem de uma família muito humilde e conquistou tudo o que tem hoje graças ao seu trabalho. Ela é ímpar e tem um brilho muito especial. - E quais são seus planos profissionais para o futuro? Pretende voltar à TV? - Fiquei em cartaz de janeiro a setembro com o stand-up Sérgio Mallandro Sem Censura. Saí de lá para entrar na Fazenda e agora estou voltando com o espetáculo, no Teatro dos Atores, no Rio de Janeiro. Depois vamos fazer uma temporada no Frei Caneca, em São Paulo. Já estou bolando textos sobre as situações que eu vivi lá dentro para acrescentar no show. Também me apresento com a banda 'Salci Fufu' e nós apresentamos minhas músicas dos anos 80. Todo mundo fantasiado, é o maior barato. E eu estou com saudades da televisão, penso em voltar se tiver uma oportunidade. São 29 anos de história, gosto de trabalhar na televisão, sei o valor de tudo lá dentro. Também tenho um projeto de um longa com André Moraes para realizar. Enfim, projeto é o que não falta. Na Fazenda eu refleti muita coisa e cheguei a uma conclusão: com 2 milhões você compra uma mansão, mas não uma família.
Sergio Mallandro / foto: EDU MORAES/RECORD
Sérgio Mallandro. / foto: RICARDO PRADO E FÁBIO MIRANDA/OPÇÃO FOTOGRAFIA
O irreverente Sérgio Mallandro. / foto: DAWIS VILLAR

Último acesso: 23 Oct 2020 - 06:27:03 (153879).

TV CARAS