Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

GIGI MONTEIRO E PEDRO, SUA GRANDE REALIZAÇÃO

ELA COMEMORA OS TRÊS MESES DO SIMPÁTICO GAROTINHO, QUE MUDOU A SUA ROTINA PARA MELHOR

Redação Publicado em 30/04/2008, às 18h52

Mãe e filho com o artista Roberto Camasmie, que os retratou. - Marco Pinto / Savona
Mãe e filho com o artista Roberto Camasmie, que os retratou. - Marco Pinto / Savona
por Aline Cebalos Completa. Assim se descreve Gigi Monteiro (35) depois da chegada de seu primeiro herdeiro, o gracioso e supersimpático Pedro, que completa três meses de vida e já foi responsável por uma grande mudança na vida de Gigi. "Depois que Pedro nasceu tudo mudou para melhor. Estou mais feliz, estou completa", afirmou ela, referindo-se ao bebê, fruto do relacionamento com o advogado Carlos Lima Jr. (44). O casal namora há três anos e mantém, como Gigi mesma diz, um casamento moderno. "Não somos casados no papel e moramos em casas separadas. Para falar a verdade, minha preocupação não é com o evento 'casamento'. Me preocupo em ser feliz com o Carlos e isso tem acontecido. Nosso 'casamento moderno' tem dado certo", contou ela, que não esconde a admiração pelo companheiro. "Ele tem sido um pai maravilhoso", revelou a mamãe coruja, que ganhou uma homenagem do artista plástico Roberto Camasmie (53), por conta do Dia das Mães. "Ele fez um jogo americano com nosso retrato. É incrível a maneira delicada com que Roberto trabalha. Ficou maravilhoso", agradeceu emocionada. Na vida profissional a atriz e apresentadora também tem muito o que comemorar. Ela completa oito anos à frente dos comerciais da rede de lojas Têxtil Abril e a participação no curta Blackout, protagonizado por Wagner Moura (31) e com lançamento previsto para agosto. "Adoro atuar, neste ano pretendo voltar às novelas", garantiu Gigi, enquanto recebia - em meio, é claro, à trocas de fraldas, mamadas e banho no bebê - a equipe CARAS em seu apartamento, em São Paulo. - Como pode descrever o maior prazer de ser mãe? - É difícil achar o maior prazer, tudo dá prazer. Não sei explicar, mas chega a ser sufocante, é um amor que não cabe dentro da gente. Sempre sonhei em ser mãe, e se eu soubesse que é tão bom, não teria esperado tanto. - O Pedro foi planejado? - Não, aconteceu. Usei o diu por cinco anos e logo depois que o tirei, e eu e o Carlos estávamos conscientes disso, acabei engravidando. Eu não gostaria de ter engravidado naquele momento, não que eu não quisesse ter o Pedro. Hoje não saberia viver sem ele. - O que mudou com a chegada do bebê na sua vida? - As coisas ruins não têm tanta importância. E Pedro tem me ensinado a ter mais paciência e coragem, além disso vivo um exercício diário de humildade. Por causa de um filho você é capaz de abaixar a cabeça para algumas coisas e enfrentar muitas outras. Abre-se mão de tudo quando se tem um bebê para criar. E no meio dessa humildade e coragem, também bate um medo. - Medo? - Sim. Tenho medo de morrer ou de que aconteça algo comigo e eu não possa cuidar dele. Além do medo de que aconteça algo com ele também. Olho a vida com mais cuidado. - O que deseja para o Pedro? - Que a vida sorria muito para ele e lhe dê muitas oportunidades. Que no percurso ele não encontre muitos obstáculos, seja bem resolvido e que desfrute a vida da melhor forma possível. - Você tinha alguma preferência pelo sexo do bebê? - Eu queria uma menina. Até pelo fato de o Carlos já ter dois filhos homens, achei que seria uma experiência diferente. Mas quando soube que era um menino, fiquei apaixonada pela idéia. - Como escolheu o quartinho? - Quis um espaço bem clean, sem muita informação. E a Ingrid, que montou o quarto, me ajudou muito. Decidimos introduzir em alguns elementos a figura do anjo da guarda, que é o que Pedro representa para mim. - Pensa em mais filhos? - Hoje não, em hipótese alguma. Estou com 35 anos e bastante madura para criar um filho, mas para criar dois eu acho que não teria pique, ficou um pouco tarde. - Está realizada? - Sim, já plantei a tal da árvore, escrevi um livro e tive um filho (risos). Na verdade o livro está em produção. Escrevi uns textos sobre histórias de amor que deram certo, mas ainda não tenho pretensão de publicá-lo. Me sinto realizada porque tenho uma família linda e amigos maravilhosos. Se faltava alguma coisa, que talvez o tempo me impedisse de ter, agora eu já tenho, que é o Pedro. Talvez profissionalmente ainda me falte alcançar um pouco mais e estou lutando para conseguir isso.