Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Dinho Ouro Preto: 'Por pouco não morri'

Dinho Ouro Preto revela ainda sentir fortes dores após ter sofrido uma queda em um show realizado em Patos de Minas. O músico ainda conta que por pouco não ficou tetraplégico ou morreu

Redação Publicado em 13/12/2009, às 23h17 - Atualizado às 23h37

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Dinho Ouro Preto recebe Zeca Camargo em sua casa, em São Paulo
Dinho Ouro Preto recebe Zeca Camargo em sua casa, em São Paulo
Em entrevista ao repórter Zeca Camargo, da Globo, o cantor da banda Capital Inicial, Dinho Ouro Preto, disse ainda não ter conseguido ver a imagem da sua queda durante um show realizado em Patos de Minas, em pleno dias das Bruxas. O músico, que ainda passa por um processo de recuperação, comentou sobre o acidente. "Olha, eu quebrei meu crânio, eu quebrei... Acho que cinco ou seis vértebras, e seis costelas - fora cortes... Os cortes não foram tão graves. O grave foi aqui, perto da minha nuca, foi por pouco que não pegou uma vértebra... Por pouco não fiquei tetraplégico, ou morri", explicou. Passado o primeiro susto, Dinho ainda enfrentar outro grande problema. "Depois eu tive uma infecção muito grave também, já no hospital, que degenerou numa asseptcicemia. Então eu voltei à UTI...", completou. Nos raros momentos de lucidez no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, o músico conta que só pensava em voltar a tocar. "Eu achava que eu ia dar o show na semana seguinte, e os médicos falavam, não. Vamos falar disso depois", disse. Visivelmente mais magro, o cantor também falou sobre o assunto. "Eu pesava 73 kg - eu cheguei a pesar 68 Kg. Eu sei lá, deve ser 8% do meu peso - não sei exatamente quanto é", confirmou. Parcialmente recuperado, ele revela o que ainda não está 100% após ter deixado a clínica. "Eu ainda sinto dor diariamente, então eu ainda passo o dia tomando analgésicos ou antiinflamatórios. Mas na verdade eu quebrei aqui embaixo, essas vértebras aqui, então, é... Eu sinto, não consigo abaixar ainda, pegar uma coisa no chão. O que mais me chama atenção, às vezes, é uma dificuldade de concentração. Ainda uma coisa mental. Ainda... Principalmente se for uma coisa mais a longo prazo, digamos, um diálogo mais longo", concluiu.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!