Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

A juventude motiva Debora Olivieri

Há 10 anos sem namorar, atriz se renova em projetos com adolescentes

Redação Publicado em 07/12/2009, às 11h51

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Na Ilha de CARAS, Debora conta que após o fim da novela Negócio da China se envolveu em dois projetos teen: o longa High School Musical - Desafio e a peça O Despertar da Primavera. - GEORGE MAGARIA/IMAGENS MAGASAC; PRODUÇÃO: MIRIAN FONSECA; COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO: CLAUDIO LOBATO
Na Ilha de CARAS, Debora conta que após o fim da novela Negócio da China se envolveu em dois projetos teen: o longa High School Musical - Desafio e a peça O Despertar da Primavera. - GEORGE MAGARIA/IMAGENS MAGASAC; PRODUÇÃO: MIRIAN FONSECA; COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO: CLAUDIO LOBATO
É com sabedoria e tranquilidade que Debora Olivieri (51) encara o passar dos anos. "Não tenho o menor problema de falar a idade. É uma questão que precisamos aceitar. Tenho vivacidade, envelhecer não me incomoda. Me olho no espelho e acho que estou melhor hoje, linda. Só não tenho um namorado para aconselhar: 'amor, coloca botox, pinta o cabelo'", explica a atriz, na Ilha de CARAS. Com o mesmo bom humor, ela encara o fato de estar há uma década sem namorar, desde que rompeu união de dois anos com o advogado argentino Pablo Insua (40), com quem morou em Buenos Aires na época em que atuou em Chiquititas. Dois anos antes, ela havia terminado o casamento com o engenheiro químico Marcelo Olivieri (53), pai de suas filhas, a arquiteta Julia (25) e a estudante de engenharia florestal Fernanda (22). Apesar disso, Debora se mantém jovem, ativa e cheia de vitalidade. E acredita que o fato de estar convivendo com jovens contribui para isso. Após o fim da novela Negócio da China, em março, ela filmou o longa High School Musical - Desafio, versão brasileiro do sucesso teen, com estreia prevista para o início de 2010. E há três meses está em cartaz com O Despertar da Primavera, no Teatro Villa Lobos, Rio, onde Convive com 19 jovens. "Estou rodeada de hormônios adolescentes. Adoro essa energia, ajuda a rejuvenescer. Sem falar que é o trabalho mais difícil que já fiz no palco. Faço 5 personagens e troco de roupa 14 vezes", justifica. - Você convive bem com o fato de estar solteira há dez anos ou sente falta de um amor? - Tenho saudade de ter essa intimidade, de ouvir o barulho da chave e ver alguém entrando em casa. Mas estou bem, tranquila. Quero sim namorar! Mas não como algumas pessoas, que vivem reclamando dos parceiros. E tenho amigos fixos, sou umamulher livre, que se diverte. - Por que está há tanto tempo sem um relação séria? - Saio, danço, mas sou tímida, reservada, não me atiro nos homens. Acho que não desperto interesse no Brasil. Assusto os homens, sou sincera, espontânea, transpareço quando não gosto de algo. Na Argentina, por exemplo, os homens veem em cima. Mas após os 50, não quero quantidade e sim qualidade. Em tudo. - Como vê o parceiro ideal? - Inteligente, musical, com senso de humor, que não fume e tenha vitalidade sexual, óbvio, porque isso é fundamental. Ainda não estou na menopausa, tenho muito hormônio. Vivo minha plenitude, feliz. Também não tenho problema com a idade. Acho até que os jovens se encantam mais comigo. Os mais velhos abandonam suas mulheres para ficar com uma novinha, então, por que uma mulher de 50 não pode querer um rapaz de 27? Criticar é machismo.