Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Kat Torres lançará livro na Bienal e dispara: "Relacionamentos abertos serão o futuro"

A modelo e atriz conta que optou por abstinência sexual após retirar um seio e abre o jogo sobre amor

Kellen Rodrigues Publicado em 25/05/2016, às 11h57 - Atualizado às 13h58

Kat Torres - Instagram/Reprodução
Kat Torres - Instagram/Reprodução

Kat Torres se tornou um dos fenômenos nas redes sociais no Brasil com os perfis de humor Coisas da Kat (ela soma mais de 1,3 milhões de seguidores no Instagram). Mas a modelo resolveu usar suas experiências espirituais para dar conselhos aos fãs em seu perfil pessoal. Da interação nasceu, então, a ideia de um livro que será lançado em agosto na Bienal em São Paulo.

Cheia de planos, que incluem um filme sobre sua vida, e sem medo de causar polêmicas, Kat conversou com CARAS Digital e falou como está a vida após a cirurgia na qual retirou um dos seios (em dezembro), contou que optou por abstinência sexual e fez uma revelação perturbadora: não acredita em monogamia.

Veja o bate-papo!

- Como surgiu a ideia do livro?
Surgiu pelo gosto que eu sempre tive de escrever. Eu escrevia coisas sem compromisso no Insta e as pessoas amavam, pediam livro, diziam que as minhas palavras mudavam o dia delas e aquilo foi me dando um novo sentido na vida. Depois que a minha mãe morreu nada mais me fazia feliz. Um dia entendi que o meu sentido na vida não havia se perdido, apenas mudado de rumo. Que ao invés de ser modelo e batalhar para ser atriz, o que me dava prazer agora, acima de tudo, era escrever. E tem sido somente alegrias desde então. Eu não fazia ideia sobre como se escrevia ou como publicar um livro. Até que um dia, através do Instagram da Kat, chegou o e-mail da agente literária "você tem vontade de fazer um livro sobre a história da Kat?". E aquele foi um dos melhores e-mails que já recebi na vida. Foi lindo.

- Do que se trata?
Tem uma voz que "fala" dentro da minha cabeça e eu vou escrevendo o que vai surgindo "dela". Está um livro bem louco e, ao mesmo tempo, mais lúcido do que qualquer lucidez que já vi. Está bem diferente do que eu pensava que seria, bem melhor e bem mais interessante. Era uma mistura de autobiografia com livro espiritual, mas acabou virando um romance, baseado numa história real. É difícil de explicar o assunto do livro, mas falará de outras dimensões, a proximidade com o mágico, o Divino e ajudará as pessoas a encontrarem a fantasia na vida, a dimensão onde tudo dá certo, podemos dizer assim. Entenderão o poder que têm e a felicidade que é de autonomia de todos.

- Já tem data para o lançamento?
O lançamento vai ser na bienal internacional do livro em São Paulo, em Agosto. Estamos preparando coisas bem legais, encontro com os fãs etc.

- E o filme? Como será contada a sua história?
A história de como está sendo o filme está quase dando outro filme! (risos). O filme tava sendo feito com recurso próprio, ou seja, com colaboração dos artistas e das locações, mas como foi gravado em vários países acabou ficando muito caro mesmo assim. Então eu decidi fazer um teaser com a metade já gravada e colocar na rede pra poder pedir patrocínio para terminar.  Mas a primeira pessoa para quem eu mostrei foi o famoso produtor de cinema Jeff Rice, em Hollywood, e ele disse que o filme tem grandes chances de ser nominado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, mas que para isso ele deveria ser brasileiro ao invés de americano como estava sendo feito agora. Estou seguindo o conselho dele. Decidi fazer o filme todo de novo e terei reuniões no Rio e em São Paulo com os melhores roteiristas e diretores de filmes no Brasil a fim de escolher a equipe. Já consegui boa parte do dinheiro, mas ainda falta bastante, custa milhões de reais fazer um filme e esse não será diferente. Além do dinheiro, dá muito trabalho! Eu, que achei que já tivesse passado pelos piores estresses do mundo, constatei que não existe nada mais estressante do que fazer um filme. Foram várias noites sem dormir, e várias depressões momentâneas ao ter que reviver as cenas no filme para representar o meu próprio papel, minha vida não foi mesmo fácil (risos).

Veja o teaser aqui

- Como tem sido a vida após a cirurgia?
Tem sido ainda mais louca do que já era. Sofri muito comigo mesma quando aconteceu, olhei pra mim no espelho e me disse coisas horríveis, me chamei de abominação, e chorei muito sozinha. Até que um dia, como tudo, aceitei. Mas foi muito duro porque trabalhei a minha vida inteira de modelo de lingerie, e já estava há quase dois anos trabalhando muito pouco e muito mal por conta da doença, a morte da minha mãe... eu esperava ansiosa poder trabalhar de novo. Com a noticia da perda de parte do seio significava que eu não poderia trabalhar por mais seis meses. Então meu dinheiro acabou, fiquei em dificuldade financeira, precisei pedir dinheiro emprestado, e nunca tinha feito isso, não foi nada legal, uma experiência que eu desejo nunca mais passar.

- Agora já está recuperada?
Teve também o lado emocional e de vaidade de mulher, depois da cirurgia nunca mais pratiquei sexo. No início por vergonha mesmo, o corpo ficou estranho, eu não soube lidar com essa mudança... Não deixei ninguém me ver pelada até hoje e esse pra mim é um sentimento muito estranho (nunca me importei em ser vista nua antes). Essa cirurgia e esse acontecimento vieram realmente como grande prova e aprendizado na minha vida. E tudo aconteceu quando o filme estava apenas começando a ser gravado, então eu tive vários compromissos, pessoas me esperando para gravar e confiando em mim. Mesmo estando um caco eu tive que dar conta de tudo, foi difícil demais. Mas Deus, como sempre perfeito, me enviou uns anjos no caminho para me ajudar a superar.

- Você está solteira?
Os amores são muitos e, ao mesmo, tempo nenhum. Eu nunca topei falar sobre isso, e hoje farei uma revelação bombástica: eu não falo sobre isso porque eu não acredito em monogamia! Isso mesmo... mas antes que me julguem e que me chamem de nomes, eu posso explicar: eu hoje em dia realmente acredito na teoria de que o ser humano não foi feito pra viver em monogamia. Depois de ter sido casada e noiva três vezes, e ter sido "traída” em todos os relacionamentos, eu entendi que o que me dava muita raiva não era o fato de os meus noivos terem me traído, mas o fato de que eu deixei de ficar com várias pessoas em prol da retrógrada "monogamia" enquanto os meus parceiros ficavam com quem bem entendessem e depois mentiam. Monogamia é um conceito que existe somente imposto à mulher, pois homens não são monógamos. Aí terá aquele 1% que se revoltará com essa noticia, mas então direi 99% dos homens não são! Pelo menos eu nunca conheci nenhum... E depois que aceitei esse fato fui feliz, tive vários namorados ao mesmo tempo, fui honesta e contei sobre um ao outro, mas hoje em dia primeiro por conta do seio e depois por conta do minha espiritualidade eu parei de praticar sexo.

- Abstinência?
Já faz muitos meses que eu descobri coisas incríveis sobre a energia e como se afeta quando praticamos o ato sexual. Comecei a reparar que quando o praticava a minha energia ficava afetada de maneira terrível, eu não conseguia mais "me conectar", vamos dizer assim. Tive que fazer uma escolha, e escolhi o meu trabalho espiritual. Desde então tento me manter afastada dos homens, já que eles são o meu único ponto fraco (risos), mas no momento digamos que mesmo sem sexo ainda me "relaciono" com algumas pessoas, e continuo não sendo monogâmica. Por conta disso, levo uma vida bem diferente e brinco com os meus amigos que um dia farei um filme sobre isso também. Eu sei que é bem polêmico esse assunto e que muitas pessoas verão com olhos tortos, mas me exponho pra que outras pessoas possam se aceitar e ser felizes como são. Eu acredito que relacionamentos abertos serão o futuro dos relacionamentos. E lembrando também que a falta de monogamia é também um conceito espiritual, já que todos os mestres espirituais ensinam que ninguém é de ninguém, que a liberdade é direito de todos e foi dada por ninguém menos que Deus a cada um de nós. O ciúme é um conceito que vem do ego, da posse, e da falta de tudo que o espiritualismo representa.

- Você tem publicado vários textos no seu perfil pessoal, como tem sido o retorno?
O retorno é inacreditável, recebo dezenas de mensagens por dia, fico impressionada cada vez que abro o Instagram com a quantidade de pessoas agradecendo e dizendo como eu mudei a vida delas, e como elas cresceram depois que conheceram a minha página. Muita gente também pedindo ajuda e conselho, fico triste de não poder responder a todo mundo, acho que será impossível, mas todos os finais de semana paro e respondo pelo menos umas 20 mensagens. A página tem me feito crescer muito também, a sintonia que tenho com eles é magica.

- As pessoas ainda ficam surpresas ao saber desse seu outro lado, além do perfil de humor?
As pessoas ficam surpresas comigo todo o tempo. A grande maioria não sabe de nenhum dos meus lados, nem da Kat humorista, e nem da Kat "escritora espiritual", eu ao vivo sou ainda mais "louca e diferente" . Para cada pessoa sou de um jeito, acho. Outro dia postei nos meus dois instagrams uma foto que causou polêmica. Fala sobre as falsas feministas e faz critica à sociedade que nos obriga a ser uma coisa só: assim não podemos ser um dia "vestidinho curto"e noutro "moletom largo", se somos inteligentes, não podemos ser bonitas, e vice-versa. Eu sofro com isso todos os dias, luto pelos direitos da mulher e sou recriminada muitas vezes pelas próprias feministas que esqueceram de que lado estão. Eu quero ser várias, e ser quantas eu quiser, quando eu quiser, sem me preocupar de quem vai me julgar de burra ou de periguete se eu estiver arrumada e maquiada.