Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Victor Fasano garante que novo reality não será um 'No Limite'

No comando do novo reality show da Rede Record, ‘Amazônia’, Victor Fasano terá a difícil missão de misturar entretenimento com consciência ambiental

Redação Publicado em 13/12/2011, às 19h06 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Victor Fasano comanda o reality show 'Amazônia' - Edu Moraes/Record
Victor Fasano comanda o reality show 'Amazônia' - Edu Moraes/Record

Desde que visitou a região amazônica pela primeira vez, aos 18 anos, Victor Fasano (53) adotou uma outra visão de Brasil. O ator e apresentador, preocupado e engajado na causa ambiental, vem veiculando seu nome na luta pelo meio ambiente e pela sustentabilidade – tema em alta nos dias atuais, mas ainda pouco praticado. Com esse ‘currículo’ na bagagem, Fasano tornou-se a pessoa certa para comandar uma atração televisiva que tenta misturar entretenimento com o debate da preservação da natureza.

Amazônia, novo reality show da Rede Record, cuja estreia será no dia oito de janeiro, usará da beleza, atrativos e peculiaridades da floresta amazônica para criar uma divertida e consciente competição entre personalidades do mundo da mídia. “A intenção é mostrar que temos uma riqueza neste país, mas que estamos sendo negligentes com relação à isso”, explicou Victor. “Além de um reality show de competição, ‘Amazônia’ é um programa de aprendizado. Não temos a intenção de fazer um ‘No Limite’. Ninguém passará fome ou terá que comer bichos. O competidor tem que entender que, mesmo ele sendo forte e musculoso para as provas, se ele não perceber a importância daquele ambiente que está vivendo, será um perdedor”, ressaltou.

Para o casting, um time misto de doze participantes – de atletas, atores, músicos, modelos, entre outros – foi selecionado e dividido em duas equipes na atração. “A intenção era reunir um time de pessoas que vieram da cidade. A maioria é de São Paulo. Dessa forma, o contraste seria maior”, afirmou Victor.

O time é formado por:
Carol Magalhães – Atriz e apresentadora
Alexey Magnavita - Autor de textos esotéricos
Carol Zoccoli - Humorista
Allen Lima - Músico do Grupo Família Lima.
Marta Sobral - Ex-jogadora de basquete
Mateus Verdelho - Modelo
Mel Ravasio - Vocalista da banda Lipstick
Pampa (André Felippe) - Ex-jogador de vôlei
Natália Guimarães – Apresentadora e Miss Brasil 2007
Picuruta (Alexandre Salazar) - Surfista
Vivi Seixas - DJ e filha de Raul Sexias
Tarso Marques - Automobilista brasileiro

A primeira etapa do programa já foi gravada. Os competidores ficaram vinte dias na Floresta Amazônica convivendo com a população local e com o ambiente, por muitas vezes, hostil. Nesta primeira fase, choveu muito. A produção do reality gravará uma nova etapa no mês de março – período em que a locação passará pela época de seca. Dessa forma, a região – em todas suas fases e belezas – será conhecida por todos os brasileiros.

“Todo mundo está lá por uma causa nobre”, definiu Carol Magalhães, contando ainda que seu maior desafio foi a adaptação. “Não é um ambiente conhecido por nós. Ficamos alojados em acampamentos, no meio do mato. Quem não conseguisse se adaptar, ia se dar mal”. Para Alexey Magnavita, o calor também foi uma barreira nesta competição. “As pessoas ficam mais nervosas, agressivas, em estado de ebulição”, contou.

Além dos desafios das provas, os competidores tiveram que aprender a lidar com diferentes personalidades de cada participante e com as adversidades da região. Mel Ravasio, por exemplo, pegou malária durante sua estadia. “Comecei a sentir muita dor de cabeça e tive febre”, disse a cantora, que recebeu os devidos tratamentos em um hospital na capital, Manaus. Natália Guimarães também passou por apuros. Durante uma prova, a apresentadora cortou o rosto em um galho. “Eu sabia que eu tinha me machucado, mas continuei até o final”, completou. Apesar dos impasses, em um ponto os competidores concordam: todos voltaram à zona urbana com outro tipo de pensamento.“Muitas pessoas só conhecem a Amazônia em documentários ou nos livros. É importante ver de perto a grandiosidade da região. Aprendi muito lá, me apaixonei e saí com vontade de salvar essa benção que nosso país tem”, concluiu Vivi Seixas.

Amazônia não terá eliminação. Com o término das provas, o júri decidirá o vencedor entre os que mais se destacaram durante o programa. O prêmio para o finalista é de um milhão, sendo que R$ 300 mil serão destinados às comunidades ribeirinhas e R$200 mil à ONG Fundação Amazônia Sustentável.