Revista CARAS
Busca
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Ângelo Paes Leme vive 'cara perigoso'

Redação Publicado em 05/01/2009, às 14h03 - Atualizado às 14h21

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Ângelo Paes Leme - Michel Angelo / Record
Ângelo Paes Leme - Michel Angelo / Record
O ator estreia na noite de hoje a série A Lei e o Crime, na Rede Record, na qual interpretará o personagem principal, Nando, um jovem que se envolve com o tráfico de drogas e com o crime, vivendo grandes ações na sua nova vida em uma comunidade, tornando-se o líder do local. O seriado de Marcilio Moraes está sendo gravado há quatro meses e continuará as gravações durante as exibições, todas as segundas-feiras, durante 16 semanas. Com o esforço e trabalho diário do escritor, a trama promete ser forte, vigorosa e mexer com o público, abrindo reflexões sobre diversos campos da vida social. "Apesar do seriado ser semanal, tem me ocupado quase tanto quanto uma novela, que é diária. Praticamente, trabalho o dia todo no seriado, seja escrevendo, seja pensando na história, seja pesquisando ou seja me reunindo com minha equipe", afirmou o autor. Paes Leme irá se reunir com o elenco em uma sala de cinema da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, às 23h, para acompanhar com a toda a equipe de produção e os diretores a exibição do primeiro capítulo. A sala foi especialmente escolhida por ser possível exibir em HD (High Definition), qualidade de imagem usada para gravar toda a história. por Priscilla Comoti Confira abaixo a opinião de Ângelo sobre o Nando: - Como estão as gravações? Ainda estou fazendo, estamos no quarto episodio e já temos o texto até o sétimo. Está sendo um personagem ótimo, muito bom de fazer. São cenas difíceis não somente pela ação, mas também é forte no emocional, com as mudanças de atitude que alteram o caminho de vida de cada um. - O que você acha da trama de A Lei e o Crime? É uma historia contundente, que mostra o contraste da vida contemporânea, com suas classes sociais diversas que se interagem, como a comunidade, a zona sul, o morro, a zona norte... Tem muita ação, com ingredientes de violência e crime, mostrando o limite entre a lei e o crime e como você pode viver com as diferenças sociais. - Como é o seu personagem? Meu personagem é o centro da trama e se envolve principalmente com o Romero (Caio Junqueira) e a Catarina (Francisca Queiroz). Depois de um desentendimento familiar, ele comete um crime e ao invés de se entregar para a polícia, por não acreditar na lei dos homens, ele segue o próprio caminho. Na historia ele é perseguido pelo cunhado, o Romero, um policial civil. E vai parar em uma comunidade, onde se envolve com o crime e o tráfico, até virar o líder do local, e se torna um cara perigoso. Durante o assalto em um túnel, logo no início de sua vida no crime, ele cruza com o carro da Catarina e do pai dela, que morre com um tiro que o Nando dá. Ela mesma quer resolver o que aconteceu com seu pai, e vira uma delegada, mas ela era da alta sociedade e também será colocada diante de uma outra realidade. - Você fez algum tipo de laboratório para entrar na realidade do personagem? Eu li muitos livros sobre o assunto do tráfico e a vida em comunidade, como o O Abusado, de Caco Barcelos, assisti a filmes, aprendi a atirar e teve o preparo físico, porque o Nando é um ex-paraquedista.