revista Realizada!

Roberta Campos mostra a sua verdadeira essência

Ao lado da eleita, Marina, a compositora mineira planeja seus próximos passos no ano

Tainá Goulart Publicado quinta 16 janeiro, 2020

Ao lado da eleita, Marina, a compositora mineira planeja seus próximos passos no ano
No apartamento em SP, Roberta Campos e sua mulher, Marina Souza Campos, celebram ano de conquistas - Rogério Pallatta


Vinda de Caetanópolis, pequeno município no interior de Minas Gerais, Roberta Campos (42) conquistou o mundo em 2019. Literalmente! Em seu apartamento, no bairro da zona oeste de São Paulo, a cantora comemora um ano de muitos frutos e realizações de sonhos, incluindo sua primeira turnê internacional, com quatro shows em Portugal e Cabo Verde, arquipélago localizado perto da costa noroeste da África. “Eu só tinha ido para o Uruguai e para Orlando, nos Estados Unidos, mas passei muito pouco tempo. Então, com essa turnê, foi como se fosse uma estreia no campo da música e na vida pessoal, já que considero essa viagem de cerca de 20 dias como se fosse a minha primeira internacional”, revela ela, que mora com a mulher, a advogada paulistana Marina Souza Campos (40), e com o pequeno Dado (4), o amor pet das duas.

Ela e a eleita se casaram em abril e o relacionamento foi rápido, porém intenso — a cantora afirma que encontrou o amor de sua vida. “A irmã dela que é responsável pelo nosso encontro de almas. Depois que peguei o telefone dela, nós ficamos conversando por um certo tempo por mensagens e, ao nos encontrarmos, senti que era ela a pessoa que eu sempre procurei”, se declara. Com o casamento, a união também se deu no lado profissional, já que Marina se tornou sua empresária e sócia na produtora musical RoMa e começou a fazer uma revolução na carreira da amada. “Ao todo, desde quando eu tive a primeira aula de violão, com 11 anos, até hoje, são mais de 20 anos de carreira na música, porém a Marina me levou para um novo patamar de profissionalismo”, conta a mineira. Com a parceria, Roberta melhorou a produção dos shows e da sua imagem na mídia. “Costumo brincar que ela é como se fosse o meu controle de qualidade, cuja orientação eu acredito piamente, pois nós conversamos muito sobre cada detalhe.

Por conta das inúmeras viagens que faz pelo País, a cantora afirma que ela e a companheira passam bastante tempo em casa, tanto que o escritório de Marina foi transferido para o aconchego das duas. Com um estúdio musical totalmente equipado e vários instrumentos, Roberta compõe suas músicas na residência, afirmando se curar a cada composição finalizada. E isso também acontece com seus fãs, que fazem questão de contar diversas histórias quando encontram com a ídolo. “Teve uma história que me marcou muito, pois tem ligação direta com o salvar pessoas. Uma senhora de Salvador morreu e a família só autorizaria a doação de órgãos se tocasse a minha música De Janeiro a Janeiro toda vez que alguém fosse transplantado. E ela tocou oito vezes”, relembra ela, emocionada sobre um de seus maiores hits, feito com Nando Reis (56). “Demorei para me adaptar em SP, pois estava acostumada a conviver com as pessoas do interior. Aqui, ninguém queria me dar ‘bom dia’ ou sequer olhar pra mim quando eu pedia alguma informação. Então, quando algum fã vem falar comigo, eu fico muito feliz. A música é minha terapia!

Além da estreia em turnês internacionais, Roberta lançou várias composições com amigos artistas, como Fique Na Minha Vida, com Vitor Kley (15), Você Sorriu Pra Mim, com Luiza Possi (35), e uma ainda sem título, feita com o grupo mineiro Skank, prevista para chegar nos primeiros meses de 2020. “Completei 10 anos de estrada e gravei um DVD incrível para celebrar esse momento. Durante as gravações, fiquei muito emotiva ao recordar toda a trajetória de luta e persistência que passei. É uma história de resiliência e de uma mulher guerreira e que ama o que faz.” Outro presente foi alcançar o número de 20 músicas dentro de trilha sonora de novelas, algo relevante dentro do mercado atual. A cantora até brinca que foi subindo degrau por degrau, começando com o hit Varrendo a Lua, de 2008, que entrou para a trama de Malhação, da Globo. “Era um sonho meu ter uma letra ou melodia minha em novela e lancei para o universo que queria que a primeira fosse em Malhação. Dito e feito. Depois, fui indo de horário em horário, terminando na novela das nove, com O Outro Lado do Paraíso, em 2017.

No ano que está começando, a mineira ainda tem alguns itens de sua lista de desejos para realizar, afinal, o parar de sonhar não existe para ela. “São muitos anos aprendendo e fazendo música, porém os sonhos não param. Para 2020, já tenho um single praticamente pronto, composição minha e com uma parceria inédita e inusitada. Pretendo também levar minha música a mais lugares, percorrer mais o interior do Brasil”, finaliza ela.
 

Último acesso: 11 Jul 2020 - 05:01:57 (340526).