Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Nada de roupa de senhora. O terninho agora é sexy e chique

Sua versatilidade permite produções mais ousadas sem parecer vulgar. Cara Delevingne, Olivia Wilde e Blake Lively não se intimidaram ao apostar no uso da peça sem camisa. Anitta foi além e, durante uma premiação, a cantora fez do terno um vestido

CARAS Online Publicado em 12/09/2013, às 10h32 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Cara Delevingne, anitta, blake lively - Getty Images e Agnews
Cara Delevingne, anitta, blake lively - Getty Images e Agnews

Um dos trunfos da moda é a sua capacidade de revisar elementos do passado e dar a eles uma roupagem atualizada. Em alguns momentos, essa mesma moda consegue romper a barreira dos gêneros e criar propostas bastante interessantes. Esse é o caso do terno, originalmente um item do guarda-roupa masculino, mas que a partir dos anos 1960, com Yves Saint Laurent, ganhou espaço nos closets femininos.

+ NYFW: Inspire-se em 600 vestidos saídos diretamente das passarelas

+ Terno feminino volta a ser tendência com blazer acinturado e calça

Sobrevivente às variações fashion, o terninho chega a 2013 em diferentes propostas. Perde o aspecto sisudo, ou qualquer referência a "roupa de senhora", para se destacar como uma peça sexy chique.

A versatilidade do terninho permite produções mais ousadas sem parecer vulgar. Cara Delevingne, Olivia Wilde e Blake Lively não se intimidaram ao apostar no uso da peça sem camisa. Anitta foi além e, durante uma premiação, fez do terno um vestido. E mesmo Natalie Portmanque usou a peça sem camisa em um evento m homenagem ao seu marido, Benjamin Millepied.

Luis Fiod, um dos principais stylists brasileiros e responsável pelo estilo da apresentadora Eliana, acredita no uso do terno como uma peça menos formal, capaz de deixar a mulher sexy e feminina ao mesmo tempo. "É o novo jeito de ser sexy, tudo depende da composição. Dá para usar o terno como se fosse uma camisa, sem ter a preocupação de esconder o colo com um colarinho e usá-lo com algo mais leve embaixo como um bustiê ou até uma camisa de seda. Para quem deseja ousar mais, vale um decote profundo".

Fiod atenta para a democracia da peça que valoriza vários tipos de mulheres. "Fica lindo em pessoas mais secas e também naquelas que têm o corpo 'violão'. É um clássico, quase um uniforme quando se fala em elegância".