Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Tiago Abravanel: ‘Não era fã de Tim’

Durante pocket show no Castelo de CARAS, em NY, Tiago Abravanel se transforma em Tim Maia e conta os detalhes da preparação. "Nas vidas passadas eu com certeza fui um negão"

Redação Publicado em 15/09/2011, às 18h13 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Tiago Abravanel, Giovanna Lancellotti, Fernanda Paes Leme e Alessandra Maestrini - TV CARAS
Tiago Abravanel, Giovanna Lancellotti, Fernanda Paes Leme e Alessandra Maestrini - TV CARAS

Sucesso absoluto na pele de Tim Maia (1942 - 1998) no musical que conta a trajetória do cantor, Tiago Abravanel (23) tem se superado. E nada disso é à toa. O neto de Silvio Santos (80) dá um show!

No Castelo de CARAS, em Tarrytown, New York, onde Tim viveu dos 17 aos 18 anos, Tiago encantou outros ilustres convidados como Fernanda Paes Leme (28) e Giovanna Lancelotti (18) durante pocket show em que cantou hits como Gostava Tanto de Você, Azul da Cor do Mar, Você e Me Dê Motivo. Alessandra Maestrini (34) também estava lá e mostrou sua voz em uma participação especial de arrepiar.

E quem vê a performance de Tiago no palco, acha que o rapaz já nasceu fã de Tim. Mas não. “Não era fã, não. Mesmo porque, quando ele faleceu eu tinha 11 anos de idade, era muito novo. Não vivi Tim Maia, mas ele faz parte do consciente e inconsciente das pessoas até hoje, né. Não tem uma festa que você vai que não toca uma música dele”, esclareceu. “Com uns 16 anos eu já conhecia mais e gostava de cantar, até porque era mais próximo da minha voz. É um tipo de música que eu adoro. Nas vidas passadas eu com certeza fui um negão. Eu me identifico, eles têm uma maneira tão visceral de fazer arte, acho que o negro em geral tem muito isso, são intensos, entregues”, afirma.

Além da voz, Tiago também surpreende pela caracterização, que poderia até confundir um desavisado, tamanha a semelhança com o saudoso cantor. “Demoro em média uma hora para me transformar. Chego no teatro, faço minha nebulização para hidratar as cordas vocais e aí começo a maquiagem. Completo a sobrancelha, inteiro o bigode, a costeleta e coloco peruca. Não é muita coisa, mas para pintar o corpo leva bastante tempo. Além do rosto, tenho que pintar os braços e o peitoral também, tudo com base. Ele usava muita blusa aberta porque morria de calor. Depois disso, tem o figurino”, conta Tiago, sempre com um sorisso estampado no rosto.

Mas, para ‘montar’ seu personagem, o rapaz levou mais tempo. “Estudei muito a vida dele, engoli o livro do Nelson Motta, que é delicioso e divertidíssimo. Assisti quase 20 horas de vídeo, com entrevistas e shows. Mergulhei mesmo na vida dele, conheci pessoas que conviveram e o conheciam muito, tanto como artista como pessoa física, digamos assim”, brinca Tiago, que ensaiou por apenas um mês e meio.

Tudo isso o ator tira de letra. Para ele, a maior dificuldade era interpretar Tim Maia dos 12 aos 55 anos em três horas de espetáculo. “É uma grande transformação, uma mudança de comportamento devido ao consumo de drogas, ao sucesso... Foi um cara que viveu 55 anos intensamente, mas falo que parece que foram 200 anos. Isso foi o mais difícil. A transformação de uma criança para um cara que foi até o topo e até o buraco. Acima de tudo, Tim era um ser humano sem limites.”