Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS
Atualidades / Mudanças!

Shai Borges fala sobre deixar o vôlei e investir na carreira de modelo no exterior: ''Muito difícil''

Shai Borges fala sobre acidente que a fez deixar o vôlei e recomeço na carreira como modelo no exterior

Redação Publicado em 02/05/2022, às 12h13

Shai Borges fala sobre acidente que a fez deixar o vôlei e recomeço na carreira como modelo no exterior - Foto/Instagram
Shai Borges fala sobre acidente que a fez deixar o vôlei e recomeço na carreira como modelo no exterior - Foto/Instagram

Receber medalhas em campeonatos de vôlei sempre foi o forte de Shai Borges. Nascida em uma periferia de Curitiba, no Paraná, a sulista era considerada uma Ana Moser (53), como também vislumbrava e mantinha os olhos na Seleção Brasileira.

No entanto, em um determinado momento de sua carreira, o destino se fez presente. “Lesionei um dos joelhos enquanto jogava. Isso me marcou muito e mudou completamente a minha vida. A lesão me fez ver outras oportunidades no mundo. Uma delas foi mergulhar em um concurso beleza e vencer”, contou.

Em 2017, pouco tempo após o incidente nas quadras, a curitibana foi escolhida por Paulo Filho, diretor responsável por um programa de Miss, para ser sua pupila. Entre diversas garotas, a atleta foi eleita para ser lapidada pelo profissional. 

Em 2018, recebeu o título de Miss Palmas Latina e no mesmo ano conquistou o título de Miss Personalidade Latina, prêmio pela melhor comunicação no concurso estadual. Naquele mesmo ano, ela terminou no TOP 5 do concurso Miss e Mister Brasil.

No ano seguinte, foi aclamada com o título de Miss Brasil Turismo representando o Brasil no exterior. Após o concurso, recebeu o convite para modelar na Índia e ali iniciou sua caminhada como modelo internacional.

“Nunca foi fácil. No começo, eu e Paulo tínhamos pouquíssimos recursos e tudo era muito difícil. Em diversos momentos pensei em desistir, mas, em nossas conversas eu sempre voltava a sonhar e escolhia persistir”, recordou ela.