Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS
Atualidades / Engajado

Depois de doar 5 milhões de dólares para a Amazônia, Leonardo DiCaprio faz desabafo sobre a crise

Acusado por Bolsonaro de atear fogo na Amazônia, Leonardo DiCaprio faz desabafo sobre a crise ambiental

CARAS Digital Publicado em 02/12/2019, às 15h43 - Atualizado às 16h03

Leonardo DiCaprio fala sobre crise ambiental na Amazônia - Getty Images
Leonardo DiCaprio fala sobre crise ambiental na Amazônia - Getty Images

O ator norte-americano Leonardo DiCaprio, que ficou famoso por seu papel no filme Titanic, também está muito envolvido com causas ambientais, inclusive as brasileiras.

Em agosto, ele chegou a doar US$5 milhões de dólares para ajudar a proteger a Floresta Amazônica. Nessa época, os incêndios criminosos, frutos do desmatamento, que aconteciam na floresta estavam apenas começando. 

O presidente da nação, Jair Bolsonaro, que afirma que quem está ateando fogo na floresta são, na verdade, as ONGS ambientais na intuição de incriminá-lo, aproveitou essa doação de DiCaprio para acusá-lo de também ter culpa nos incêndios.

“Quando eu falei que há suspeitas de ONGS, o que a imprensa fez comigo? Agora, o Leonardo DiCaprio é um cara legal, não é? Dando dinheiro para tacar fogo na Amazônia”, declarou Jair na ocasião.

Mas, não demorou para que o ator internacional reagisse à fala do presidente do Brasil. Em seu Instagram, ele compartilhou o que acha sobre a crise que se alastra no país.

“Nesse momento de crise para a Amazônia, eu apoio os brasileiros que estão trabalhando para salvar sua herança natural e cultural. Eles são um exemplo maravilhoso, tocante e humilde do comprometimento e paixão necessário para salvar o meio ambiente. O futuro desses ecossistemas insubstituíveis está em risco e eu me orgulho de estar do lado dos grupos que estão os protegendo. Por mais que elas precisem de apoio, nós não demos fundos para as organizações atacadas. Eu continuo comprometido a apoiar as comunidades indígenas, os governos locais, cientistas, educadores e público geral brasileiro que estão trabalhando sem parar para proteger a Amazônia para todos os futuros brasileiros”, escreveu.