Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

O túnel do tempo fashion de Xuxa Meneghel

Estrela causa furor na volta à passarela em homenagem aos anos 1980

CARAS Publicado em 25/06/2016, às 10h24 - Atualizado às 10h32

Há 12 anos sem desfilar, ela abre evento, no Rio, com transparência e mata a saudade dos fãs com sua performance cheia de atitude - AGNEWS, BLAD MENEGHEL, CADU PILOTTO, REGINALDO TEIXEIRA/CS EVENTOS E ROBERTO FILHO/BRAZIL NEWS
Há 12 anos sem desfilar, ela abre evento, no Rio, com transparência e mata a saudade dos fãs com sua performance cheia de atitude - AGNEWS, BLAD MENEGHEL, CADU PILOTTO, REGINALDO TEIXEIRA/CS EVENTOS E ROBERTO FILHO/BRAZIL NEWS

Dona de carreira marcante no universo da moda nos anos 1980, Xuxa Meneghel (53) voltou a fazer história nas passarelas semana passada. Em performance vibrante, a apresentadora revisitou aquela época na abertura do Rio Moda Rio, no Píer Mauá, zona portuária carioca, em desfile pela Yes, Brazil. Com look sensualíssimo, composto por corselet de renda transparente, calça clochard rasgada, bota de amarrar, jaqueta de couro branca, brincos enormes com as inicias da grife e peruca com permanente, foi ovacionada pela plateia. “Vovó está dando ainda para o caldo!”, divertiu-se, antes de explicar a ligação com a marca, fundada por Simão Azulay, morto em 1988, pela qual fez grandes desfiles. “Simão fez parte da minha história. Montava uma roupa para mim e dizia: ‘Fiz porque achei a tua cara, o teu estilo, mais sensual’. Às vezes, criava estampas e falava que eram para combinar com minha pele, cor do olho. Tenho ligação forte com a marca”, justificou Xuxa.

Orgulhoso, o ator e cantor Junno Andrade (52) fez vários elogios pela passagem triunfal da amada. “Ela tem carisma para dar e vender, é disciplinada e tudo o que se propõe a fazer, faz bem. Seja na passarela ou fotografando, ela cresce de uma forma tão absurda, parece que sai da pessoa física e se torna outro ser”, babou o ator de Escrava Mãe. Na plateia, Livia Rossy (34) contava ser uma eterna ‘baixinha da Xuxa”. “Ela tem uma luz que é só dela!”, disse a atriz, encantada com a estrutura do evento, que trouxe o Rio de volta ao universo fashion. “Está tudo muito diferente, mais moderno”, completou Livia.

Também ícone da moda naqueles anos, Silvia Pfeifer (58) brilhou em sua passagem pela grife George Henri, homenageada na noite juntamente com a Yes, Maria Bonita e Company. “É uma pena que a nova geração não saiba como essas marcas foram importantes. O quanto a moda no Rio foi marcante na época para o Brasil em vários aspectos, não só financeiro, mas social e artístico. Fiz parte disso tudo e ter sido lembrada para estar aqui é uma forma de ser homenageada também”, disse a atriz. Uma das convidadas, Paolla Oliveira (34) chegou atraindo todos os olhares. A atriz também deu sua opinião sobre a ideia do revival. “O que a moda faz é isso, deixar o que é improvável bonito. Tem um tempo, mas é cíclica. Sua volta faz a gente ficar maluca querendo saber o que é tendência de novo. Talvez hoje peças dos anos 1980 não sejam tão legais como antigamente, mas quem não tem peça com ombreira no armário, estruturada, com néon ou uma calça pantalona, que amo? Então, é assim, a moda sempre volta, mas modificada”, atestou Paolla.

Com curadoria de Carlos Tufvesson (48), cenografia de Gringo Cardia (57) e styling de Felipe Veloso (46), o evento, inspirado no lifestyle carioca, contou com o desfile de 14 grifes em três dias, todos com performances nada tradicionais. Além de pop up stores (lojas temporárias) com produtos exclusivos, teve atrações gastronômicas e musicais. “O Rio é um polo de moda, havia parado porque estava sem grana, mas temos criatividade, suingue carioca... E é o que estamos vendo”, celebrou a jornalista Glória Maria. O último grande projeto de moda na Cidade Maravilhosa havia sido o Fashion Rio, que aconteceu em 2014.