Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

No Castelo de CARAS, Letícia Birkheuer se diz realizada em família

No Castelo, ela exalta sua paixão por Alexandre e João Guilherme: "Eu virei uma leoa... Tenho vivido em função do meu filho"

Redação Publicado em 06/11/2012, às 10h52 - Atualizado em 24/03/2020, às 14h30

Entre o empresário Alexandre Furmanovich e João Guilherme, a atriz diz que mudou bastante após o nascimento do seu primeiro filho. - Fernando Lemos
Entre o empresário Alexandre Furmanovich e João Guilherme, a atriz diz que mudou bastante após o nascimento do seu primeiro filho. - Fernando Lemos

As gargalhadas de João Guilherme (1) ecoam nos corredores do Castelo de CARAS, em New York. É o anúncio de que seus pais, a atriz Letícia Birkheuer (34) e o empresário Alexandre Furmanovich (28), se aproximam. O menino, simpático e cheio de dobrinhas, surge nos braços da mãe, que o exibe como seu maior troféu. “Virei uma leoa. Tenho vivido em função do meu filhote”, derrete-se ela, que já estrelou novelas em horário nobre, como Belíssima, de 2006, e até hoje é reconhecida como uma das mais carismáticas modelos brasileiras. Cuidadosa ao extremo, assume que tem dificuldade para ficar longe do bebê. “Já falei para Lelê que não dá para criá-lo em uma bolha ou ficar grudada 24 horas até a fase adulta”, ressalta Alexandre, cujo incentivo foi fundamental para que Letícia voltasse a atuar na carreira empresarial e artística. Em dezembro, ela lança linha de óculos. Em março, estreia no Rio sua primeira peça, Até o Sol Nascer, de Lucianno Maza e direção de Gilberto Gawronski (50). Além disso, negocia para voltar em breve às novelas. Mais que o fascínio incondicional e a mudança de rotina do casal com a chegada de JG, como o bebê é chamado na intimidade, a atriz confessa que a maternidade também trouxe segurança. “Pela primeira vez na vida não estou ‘encanada’ com o meu corpo. Sempre fiz dieta e, na gravidez, comecei a comer de tudo. Em nenhum momento pensei se estava feia ou gorda. Existe algo maior para focar, o JG. Para mim, isso é virar mãe”, justifica, em ótima forma, com 65kg em 1,81m, após perder 22kg ganhos na gestação com ginástica, caminhadas e, agora, o retorno às quadras após 19 anos. Letícia, que já foi jogadora profissional de vôlei, vem atuando no time master do Hebraica.

– Você diz que está menos vaidosa, mas parece mais bonita com a maternidade. Acredita em alguma mudança maior?

Letícia – Deixei de me enxergar um pouco. Mas realmente não estou preocupada com isso. 

Alexandre – Acho que ela está, sim. Letícia não é mais uma menina, virou uma mulher.

– Nesse momento, você se vê apenas como mãe, é isso?

– É por aí. (risos) Sempre fui muito ‘do mundo’, desligada. Com a chegada do João me tornei uma pessoa totalmente apegada a ele. E muito mais pé no chão também.

– Com isso existe espaço para o pai cuidar do João Guilherme?

Letícia – Até os seis meses só quem dava banho era eu. 

Alexandre – Ela nunca deixou. Hoje em dia está um pouco mais calma e posso ajudar um pouco.

– Em 2008, você sofreu um aborto. É por isso que é tão centralizadora com o bebê?

Letícia – Não sei se é o motivo para proteger tanto. Pode ser também, para que nada dê errado. Logo em seus primeiros meses de vida, pensava: Deus me livre alguém chegar da rua com a mão suja e meu filho pegar uma doença, ficar gripado. Paranóica, não é?

– Já começaram a conversar sobre a educação dele?

Letícia – Com certeza, é a parte mais difícil. Queremos prepará-lo para o mundo e criá-lo para ser um adulto responsável, bacana, de boa índole e sem preconceito. Como eu, que morava na Zona Sul do Rio e convivia com gente do asfalto e do morro na praia.

– O casamento e o filho aconteceram em menos de dois anos. Com olhar de hoje, julgam que tudo foi muito rápido?

Letícia – Tinha vontade de ser mãe e Alê é mais novo. Mas deixamos as coisas rolarem. Acho que estava mais preparada que ele.

Alexandre – A gente nunca está pronto para casar e ter filho, mas na hora aprendemos.

– Como se adaptaram às mudanças tão repentinas?

Letícia – Faz um ano que troquei o Rio por São Paulo. É difícil, as pessoas são diferentes, o ambiente é novo e a gente ainda está em um processo. Nesse sentido, o bebê veio para ajudar. Hoje, existe uma base familiar, cria-se um vínculo muito grande, mas é necessário fazer esforços.

– Como assim?

Letícia – Sempre fui muito mandona. Depois que casei e tive filho, estou quase uma planta, uma tranquilidade impressionante.

– Mas, aparentemente, você,  Letícia, parece mais geniosa...

– Alexandre é muito controlador, ele engana bem. (risos) 

Alexandre – Sabe o que é, Letícia não atende o telefone, é superdespreendida do celular. Eu vou ver pelo GPS onde está, ligo para a empregada para achá-la.

–Você sente ciúmes?

Alexandre – É lógico. Não posso dar sopa. (risos)

– Com a chegada do João, conseguem manter o romantismo?

Letícia – Sou uma mãe superprotetora, mas Alexandre quer sair para jantar. Cedo bastante.

Alexandre – Para mim é muito melhor que seja presente. Sei que será cuidadosa assim para o resto da vida, mas tenho paciência.

– E pensam em mais filhos?

Letícia – É possível. Mas agora, vou voltar ao trabalho, um pouco por razões financeiras, mas também para a minha cabeça. Com JG, desacelerei, literalmente. Foquei na maternidade para acompanhar bem de perto seu desenvolvimento... Amamentei até os seis meses. E não me arrependo.

– Um ano após o nascimento do João Guilherme, qual balanço fazem da vida em família?

Letícia – Realizamos um sonho. JG foi muito esperado. Nossa casa e nossas vidas ficaram bem mais alegres e coloridas! Descobrimos o maior amor do mundo. Fomos presenteados com esse menino que mexe no cabelo quando vai dormir igualzinho à mamãe e tem o sorriso do papai. Isso é felicidade.

Alexandre – E com os olhos marcantes da Lelê!