Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Intérprete de Chiquinha quer que suas cinzas sejam jogadas em Acapulco

Maria Antonieta de las Nieves contou que gostaria de ser cremada após a morte e ter suas cinzas jogadas no mar

CARAS Digital Publicado em 28/05/2015, às 09h40 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Maria Antonieta de las Nieves, intérprete da Chiquinha - Francisco Cepeda/ Agnews
Maria Antonieta de las Nieves, intérprete da Chiquinha - Francisco Cepeda/ Agnews

Maria Antonieta de las Nieves, a intérprete da Chiquinha do seriado Chaves, contou ao site da revista mexicana TV y Novelas que não teme a morte, mas que já tem planos para quando o momento chegar. Ela gostaria de ser cremada e que cantassem mariachi (músicas típicas do México) para ela. 

"Não quero morrer fora do México. Aonde quer que eu vá, me dizem que eu sou México. Imagine que cada vez que dizem México, lhes vêm à mente a tequila, o Chaves, a Chiquinha… Eu levo muito o México comigo, sou México e nunca morrerei longe de meu país", falou. "Não tenho medo de morrer, temo sofrer", revelou.

Aos 64 anos, ela disse ainda que pretende guardar as cinzas do marido, Gabriel Fernandez, em seu quarto, caso ele se vá antes dela. "Temos quase 44 anos de casados e posso dizer que nos adoramos com toda alma. Eu queria que, se meu marido for primeiro, que o deixem no escritório do meu quarto, já tenho o lugar exato. Ele me disse: ‘e se seus filhos não gostarem que eu esteja ali?’, mas lhe respondi: ‘não vou dar a mínima se gostam ou não, eu te quero ali para mim’", falou.

Maria Antonieta disse que não se importa se o marido não quiser guardar suas cinzas com ele, mas gostaria de que, após a morte de ambos, suas cinzas fossem misturadas e jogadas ao mar. "Quero que façam um mix e depois coloquem onde quiserem, ainda que eu prefira no mar, em Acapulco", revelou. 

Acapulco foi cenário para alguns dos episódios mais importantes e emocionantes de Chaves. "É um lugar chamado Caletilla. Vou sempre à beira do mar e paro sobre uma pedra para dar de comer aos meus peixinhos. Queria que minhas cinzas fossem a comida de meus peixes".