Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Vitória Frate e Pedro Neschling

Na Embaixada de CARAS, o encantamento com o início da relação

Redação Publicado em 13/07/2010, às 14h46 - Atualizado em 09/08/2012, às 15h22

No bar da Embaixada, na África do Sul, os atores contam como se conheceram. - JAIME BORQUEZ E MARTIN GURFEIN
No bar da Embaixada, na África do Sul, os atores contam como se conheceram. - JAIME BORQUEZ E MARTIN GURFEIN
Ao acompanhar o que cada um escrevia em seus blogs - diário pessoal da internet -, os atores Pedro Neschling (28) e Vitória Frate (24) perceberam o quanto tinham em comum. Após trocarem mensagens virtuais, decidiram marcar um encontro pessoalmente. Em uma festa carioca, há três meses, deram o primeiro beijo e não se desgrudaram mais. "Por sempre ler os posts de Pedro, me sentia próxima a ele. Por isso, quando nos vimos, a química aconteceu naturalmente. Ele já não era um estranho para mim", explicou ela. "A empatia foi tão imediata que nem sei dizer quem tomou a iniciativa. Nós dois queríamos muito viver essa história", completou o ator. Hospedado na Embaixada de CARAS na África do Sul, no Rattray's em MalaMala Game Reserve, o casal mostrou-se apaixonado. Seja pelas constantes demonstrações de carinho, como por não conseguir ficar um instante sem a companhia do outro. "Esse frescor de começo de namoro é comum. Mas espero que com Pedro isso não seja só uma fase, e sim uma constância. Não gosto de pensar que esse sentimento tenha prazo de validade", confessou Vitória, que em agosto estreia a série do Multishow Bicicleta e Melancia. "Para isso, acho que o cuidado é essencial na relação. Afinal, poesia não se encontra a cada esquina. É preciso estar atento aos anseios do outro", enalteceu Pedro, que no mesmo mês começa a gravar o seriado global Aline. - Vocês mencionaram que possuem semelhanças. Quais? Vitória - Temos a mesma visão de mundo. Tem dias que começamos a nos falar de manhã e à noite ainda não terminamos a conversa. Emendamos um assunto no outro com facilidade. Nossa relação flui sem esforço algum. Pedro - Não conseguiria namorar uma menina que não sabe rir de si mesma, que leva tudo a ferro e fogo. Vitória é leve. Sou assim também. Acredito que o bom humor é um tremendo aliado na hora de querer estar junto. - E vocês são românticos? Pedro - Sou um cara que preza o zelo no namoro. Para mim, o relacionamento é uma escolha. Vitória - Sou mais fechada, aprecio o romantismo, mas tenho medo de exercê-lo. O tempo endurece a gente. Mas quando você está com alguém que não impõe barreiras, fica mais à vontade para praticá-lo. Pedro dá segurança. - Como está sendo a viagem? Vitória - Incrível, Pedro é a melhor companhia que eu poderia ter. Ficamos maravilhados com a relação que o povo daqui estabelece com a natureza. Há respeito. Pedro - Em um dos safáris, nosso guia nos levou até um monte. Lá do alto, apreciamos toda a vista da reserva. Bateu uma vontade boa de chorar. De alegria.