Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Isabel Fillardis: "Decidi ajudar o mundo em que os meus filhos vão crescer”

Solteira, ela diz nas Cataratas que o clã apoia seus ideais

CARAS Publicado em 15/07/2015, às 07h39 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Convidada para 6º Fórum Mundial de Meio Ambiente, Isabel Fillardis visita o Parque Nacional do Iguaçu. - GUSTAVO RAMPINI E ANDERSON FERREIRA
Convidada para 6º Fórum Mundial de Meio Ambiente, Isabel Fillardis visita o Parque Nacional do Iguaçu. - GUSTAVO RAMPINI E ANDERSON FERREIRA

Engajada em projetos ligados à sustentabilidade desde 2003, Isabel Fillardis (41) foi uma das convidadas de honra do 6º Fórum Mundial de Meio Ambiente, em Foz do Iguaçu. “Nós estamos em um momento de muita urgência. Precisamos agir rápido! É necessário educar a população e fiscalizar para ajudar o nosso planeta”, avalia a atriz, que é presidente no Instituto Doe Seu Lixo. “O meu olhar começou a ficar mais atento a essa questão quando li em um voo uma matéria sobre as previsões desanimadoras dos cientistas para o mundo de hoje. Ao terminar o texto, me senti sufocada. Decidi ajudar o mundo em que os meus filhos vão crescer”, lembrou Isabel, citando os herdeiros, Analuz (14), Jamal Anuar (12) e Kalel (1 e 7 meses), da relação com Julio Cesar (49).

Separada, a atriz conta que estimula as crianças a terem consciência ecológica. “Analuz já é de uma geração bem antenada a essa questão. E me ajuda a levar isso para os irmãos. Agora, estamos em um momento em que precisamos melhorar o aproveitamento da luz. Estou dando ênfase a isso, mas precisa ser uma preocupação não só minha”, afirmou Isabel, que no Fórum se encontrou com a artista plástica Bia Doria (52), mulher do empresário e apresentador João Doria Jr. (57), anfitrião do evento. Além do trabalho ambiental, a atriz está envolvida em projetos teatrais. Até o fim do ano, montará em SP a peça que já encenou no Rio sobre a cantora Joaquina Lapinha. “Quero apresentar essa maravilhosa personagem, cuja história ficou guardada no século XVIII. Lapinha tornou-se exemplo de mulher independente, que ganhava a vida com a arte. Apesar de ter duas condições que, em teoria, dificultariam a carreira, ser mulher e mulata, conseguiu mostrar seu talento”, explicou a atriz.