Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Saulo Meneghetti, de 'Escrava Mãe', fala sobre os desafios de seu personagem na nova trama da Record

O ator, que interpretará um abolicionista na nova novela, fala sobre como foi a construção de seu personagem e analisa a descriminação racial nos dias de hoje

CARAS Digital Publicado em 31/05/2016, às 12h24

Saulo Meneghetti fala sobre estreia de 'Escrava Mãe' - Divulgação
Saulo Meneghetti fala sobre estreia de 'Escrava Mãe' - Divulgação

Saulo Meneghetti é o novo galã de 'Escrava Mãe', nova novela da Record, que estreia nesta terça-feira, 31, às 19h30. Na trama, o ator será Charles de Alencastro, um jovem a frente de seu tempo, arrojado e que viajou o mundo. Ao longo do enredo, o personagem de Saulo atuará no movimento libertador contra a escravatura e o comércio de escravos.

Em entrevista exclusiva para a CARAS, o ator conta os desafios de seu personagem e ainda revela novos projetos para o futuro. Confira:

Está ansioso para a estreia da trama?
Sem dúvidas, a ansiedade é algo inevitável, ainda mais se tratando de uma obra desse porte, uma superprodução tão aguardada, trabalho que desenvolvemos durante um ano. As expectativas são as melhores possíveis, o público ficará encantado com a qualidade dessa produção e principalmente com o enredo desta trama.


Como foi o laboratório para interpretação?
“Escrava Mãe” é minha primeira novela de época, fiquei encantado com esse universo, fizemos uma verdadeira viagem ao tempo, a Record nos possibilitou um aprofundamento nas questões e costumes do século XIX, tivemos um preparo com acompanhamento de historiadores, palestrantes e pesquisadores especialistas sobre o tema central da novela e uma fonoaudióloga que nos orientou quanto ao linguajar utilizado na época. Além disso, por meu personagem ser um abolicionista, procurei me aprofundar em estudos direcionados a questões ligadas a esse assunto por meio de livros e artigos relacionados à escravidão e ao processo de abolição da escravatura.

Em 'Escrava Mãe' você fará um personagem que irá lutar pela libertação dos escravos. Acha o tema oportuno nos dias de hoje?
Os temas abordados pela novela, embora se desenrolem em 1808, continuam extremamente atuais. Fazendo uma análise da época que se passa a novela em relação ao dias de hoje percebo que algumas coisas não mudaram. Infelizmente ainda é presente em nossa sociedade a desigualdade social, a desigualdade em relação aos direitos da mulher, a descriminação racial e até casos de trabalho em regime de escravidão dentro do segmento rural e da indústria da moda.

O atraso da estreia da novela - adiada por 4 vezes - te atrapalhou de alguma forma? 
Mudança de datas é algo habitual na carreira de ator, para mim foi bem tranquilo. Continuei cumprindo com meus compromissos com a Record e aproveitei esse tempo para estudar, finalizar as filmagens do “Cromossomo 21”, dar início a outros trabalhos no cinema, fazer algumas campanhas publicitárias e meus trabalhos como artista plástico.

Saulo também faz parte do elenco do longa brasileiro 'Cromossomo 21', que conta a história do amor entre Vitória, portadora de Síndrome de Down, e Afonso, um garoto sem deficiência. 

Qual o seu personagem no filme?
Faço o papel de um ator, o filme possibilita trazer várias interpretações do público sobre meu personagem, podendo se entender que sou eu mesmo, Saulo Meneghetti, ou simplesmente um ator interpretando um ator. O autor da obra não quis se prender em dar um nome ao personagem, para possibilitar mesmo essa livre associação. Entro em cena como uma participação especial na história, representando o amor verdadeiro em um momento de virada da trama. O personagem traz diversão e principalmente emoção na vida da personagem protagonista.

Como foi contracenar com atores com Síndrome de Down?
Esse filme foi um presente que ganhei, primeiro por ser uma causa que eu já abraçava em prol da igualdade, segundo que a personagem foi escrito pensando em mim e traz emoção à história. No entanto o maior presente foi a relação estabelecida com todos os envolvidos nesse projeto, equipe, elenco e seus familiares. Conviver com os portadores da Síndrome de Down me fez aprender muito sobre superação e principalmente sobre o amor verdadeiro. O filme trata sobre isso e as filmagens foram emoção do início ao fim. Nos divertimos, choramos e criamos laços que certamente levarei por toda a vida.

Algum projeto futuro em andamento?
Tenho um projeto para voltar ao teatro, que ainda está se desenhando, e também estou envolvido em alguns projetos de cinema. Um deles será como roteirista e ator, “O Cheiro do Lírio”, com grandes nomes envolvidos. Este irá percorrer diversos festivais de cinema, e dará início as filmagens agora no segundo semestre. Posteriormente desejo retornar para as novelas.