Morre no Rio de Janeiro, aos 75 anos, Gilberto Braga, autor de novelas como 'Vale Tudo'

Gilberto Braga escreveu importantes capítulos da dramaturgia na TV brasileira, entre eles 'Dancin Days', 'Vale Tudo', 'Celebridade' e a minissérie 'Anos Dourados'

CARAS Digital Publicado terça 26 outubro, 2021

Gilberto Braga escreveu importantes capítulos da dramaturgia na TV brasileira, entre eles 'Dancin Days', 'Vale Tudo', 'Celebridade' e a minissérie 'Anos Dourados'
Gilberto Braga, que morreu aos 75 anos - Márcio de Souza/TV Globo

Gilberto Braga, o escritor e jornalista que fez história com telenovelas e minisséries na TV brasileira, morreu aos 75 anos nesta terça-feira, 26, no Rio de Janeiro.

O autor de importantes obras, que marcaram época, sofria de mal de Alzheimer. Ele escreveu, em parceria com outros dramaturgos, importantes capítulos do desenvolvimento e consolidação da novela brasileira, entre eles Dancin' Days, de 1978; Vale Tudo, de 1988; O Dono do Mundo, de 1981; Celebridade, de 2003; Paraíso Tropical, de 2007; Babilônia, de 2015; e as minisséries Anos Dourados, de 1986, e Anos Rebeldes, exibida em 1992. Ultimamente, estava afastado por conta de problemas recorrentes de saúde.

Gilberto Braga e sua história de sucesso na TV

Seu primeiro grande sucesso, no entanto, foi Escrava Isaura, exibida em 1976 com Lucélia Santos (64) e Rubens de Falco (1931-2008) como os protagonistas. A novela, um marco da teledramaturgia, foi a primeira a viajar o mundo, sendo vendida e exibida com sucesso em países como China, Rússia, Cuba e Alemanha. Curiosamente, Gilberto assinou a adaptação que o tornou conhecidíssimo quando tinha apenas 31 anos de idade.   
   
Em 1977, ele escreveu Dona Xepa, que narrava a história de uma popular feirante, vivida por Yara Cortes (1921-2002). Exibida no horário das seis, a obra obteve o melhor desempenho de audiência da faixa até então. Daí viria Dancin' Days, sua estreia no horário nobre, que naquela época era às 20h.

Gilberto Braga teve uma vida pessoal discreta, mas cheia de atitude

Nascido no Rio de Janeiro, Gilberto morava no Arpoador com o marido, o decordar Edgar Moura, com quem viveu durante 41 anos antes de oficializar a união, em 2014. Ele estreou na Globo como autor em 1972, com uma adaptação de A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas (1802-1870), para um programa Caso Especial, sucesso na época.

Seu primeiro folhetim foi Corrida do Ouro, em 1974, quando dividiu a autoria com Lauro César Muniz e Janete Clair.

Segundo familiares de Gilberto Braga, o autor estava internado desde o dia 22 de outubro após ter sofrido uma perfuração no esôfago e morreu vítima de uma septicemia, ou infecção generalizada. Ele estava no Hospital Copa Star, em Copacabana, na Zona Sul do Rio. 

Quem foram as musas das novelas de Gilberto Braga

As novelas de Gilberto Braga fizeram sucesso graças a artistas que sempre estiveram em suas obras. Sônia Braga (71), Gloria Pires (58), Regina Duarte (74), Susana Vieira (79), Malu Mader (55), Lídia Brondi (60), Cáudia Abreu (51), Alessandra Negrini (51), Camila Pitanga (44) e Deborah Secco (41) estão entre as atrizes que ganharam destaque nas tramas do autor.

Gilberto nunca escondeu que escrever para os vilões tinha um tempero especial, de acordo com comunicado emitido pela Globo. Talvez, por isso, somado ao seu estilo e talento ímpares, o autor colecione uma lista memorável de vilãs, como Odete Roitman e Maria de Fátima, vividas respectivamente por Beatriz Segall (1926-2018) e Gloria Pires, em Vale Tudo. Aliás, Gloria fez parte do elenco de suas duas últimas tramas exibidas na Globo, como Norma, de Insensato Coração, e Beatriz, de Babilônia.

Último acesso: 27 Nov 2021 - 03:53:02 (403051).

Leia também

TV CARAS