Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS
TV / Desespero

Monica Iozzi chora ao falar de amigo espancado por homofobia: ''Isso não é democracia''

A atriz fez uma transmissão ao vivo nas redes sociais e desabafou sobre o ocorrido

CARAS Digital Publicado em 26/10/2018, às 14h26 - Atualizado às 14h29

Monica Iozzi - Instagram / Reprodução
Monica Iozzi - Instagram / Reprodução

Monica Iozzi usou suas redes sociais, na noite de quinta-feira, 25, para fazer um grande desabafo. Abalada, a atriz revelou que um amigo foi fortemente agredido por homofobia e por questões políticas. 

"Um amigo foi violentamente espancado por um homem que se intitulava apoiador do [candidato à presidência pelo PSL] Jair Bolsonaro. Esse meu amigo está internado, sofreu fraturas, vai ter de passar por cirurgia e deve ficar muito tempo no hospital. Ficou realmente muito machucado", disse ela sobre o ocorrido. 

"A gente tem visto que essa onda de violência está realmente assustadora, mas quando chega tão perto de você, que a coisa se torna pessoal, mesmo, é um baque, né?", completa Iozzi, que relembra um dado assustador da homofobia no Brasil.

"Sim, o Brasil é o pais que mais mata LGBTs no mundo [1 a cada 19 horas, de acordo com o Grupo Gay da Bahia], mas a gente está vendo essa onda de violência nesses últimos dias e de pessoas que dizem claramente que estão dizendo aquilo porque apoiam a postura deste candidato. Isso não é fake news. Muita coisa não é fake news. Basta pesquisar", ainda disse chorando. 

Monica fez questão ainda de lembrar de quando entrevistou o candidato na época que trabalhava como repórter do CQC. “A gente mostrava [as entrevistas com Bolsonaro no ‘CQC’] para que as pessoas vissem o nível péssimo de parlamentares estávamos elegendo. Era como denúncia. Jamais imaginamos que muitas pessoas se identificariam. (…) Eu me arrependo de ter entrevistado ele tantas vezes”, declarou.

No vídeo, Iozzi, que chega ir às lágrimas, ao falar sobre seu voto ao petista Fernando Haddad"Não sejamos ingênuos. O seu ódio ao PT não é justificativa para colocar nossa democracia em risco. É o governo que vem do povo e feito para o povo. Bolsonaro já disse que aos adversários dele ele deseja cadeia ou exílio. Isso não é democracia". 

Para finalizar, Iozzi recuperou as energias e disse: "Ainda tenho muita fé que o brasileiro não vai sucumbir a este discurso de ódio, que o povo não vai sucumbir ao preconceito".

O segundo turno da eleição irá ocorrer no domingo, 25.