TV Youtuber

Júlio Cocielo sobre publicação racista: ''Envergonhado por ter decepcionado minha mãe''

O influenciador quebrou o silêncio após polêmica dominar a web

quarta 4 julho, 2018
Júlio Cocielo
Júlio Cocielo reprodução/instagram

Júlio Cocielo se viu no meio de milhões de críticas e pedidos de boicote após publicar um comentário racista contra o jogador francês Mbappé. "Mbappé conseguiria fazer uns arrastões top na praia", escreveu ele.

Em poucos minutos, o comentário de Cocielo foi retuitado por dezenas de internautas, que o acusaram de racismo. "Alô, Twitter. Como vocês permitem que pessoas como o Cocielo tenham voz por aqui? Racismo pode?", questionou uma pessoa. "Júlio Cocielo foi racista, sim. Não adianta dizer que não foi a intenção", afirmou outra. "Se fosse o Antoine Griezmann ou o Cristiano Ronaldo seria: 'Corre para car*lho'. Mas como é o Mbappé é arrastão. Racismo velado é isso! Branco correndo é atleta, negro correndo é assalto", enfatizou um terceiro indivíduo.

Mais Notícias

Na noite desta quarta-feira, 4, o youtuber usou o seu canal na plataforma de vídeos para divulgar um esclarecimento sobre o acontecido. "Eu tô aqui consciente do meu erro. Eu não quero debater em cima de algo que eu não tenho razão nenhuma", começou ele. "Quem me conhece, quem me assiste sabe que meu intuito nunca foi ofender ninguém. E, quando eu vi que estava ofendendo, eu deletei", continuou.

Respondendo, indiretamente, ao comentário da Karol Conká, que dizia "Racista finge que se arrepende quando perde dinheiro ou status", o jovem disse que quer se retratar por outra razão. "Eu não nasci em berço de ouro. Eu vim do nada. E a coisa mais importante pra mim é a minha criação e humildade, e ela não está no que a gente tem. Está em nosso caráter. Quem me ensionou isso foi minha mãe, e eu me sinto envergonhado por ter decepcionado ela. Eu entendo por que isso tudo está acontecendo. [...] Eu aceito as consequências", disse Júlio. 

Assista o desabafo na íntegra:

Giovanna Ewbank, que luta diariamente contra o preconceito em nome da filha ainda pequena, Titi, usou o Instagram para dividir uma mensagem de repúdio à primeira ação do influencer. "Odeio ter que postar coisas tão repugnantes e tristes como essa... mas é necessário!!! Ainda fico chocada como podem existir pensamentos como desse tipo de pessoa... isso não é uma brincadeira e nunca foi. Isso é racismo", reforçou ela ao compartilhar o texto escrito por Samara Felippo

Pelo Instagram, Bruno Gagliasso dividiu um texto escrito por Isabela Reis pedindo o boicote a Júlio. 

"Você tem noção do que são 11 milhões e 200 mil pessoas? Eu ajudo. É a população inteira da Bélgica. É um milhão a mais do que a população de Portugal. São 143 Maracanãs lotados. São todas as pessoas que AINDA estão apoiando diretamente um influencer assumidamente racista. Temos que cobrar posicionamento das marcas que o patrocinam, é claro. Mas são os outros famosos que ainda o seguem e, principalmente, as pessoas comuns, anônimas, que verdadeiramente me preocupam. Apoiar uma pessoa racista é ser CONIVENTE, sim."

por CARAS Digital
Atualizado quinta 5 julho, 2018 (303798) | 15/12/2018 05:50:20

Mais conteúdo sobre:

CARAS Recomenda

  1. Arquiteta Teresa Simões é homenageada na Festa Talentos
  2. Vencedores da Rolling Stones Music Run recebem presente
  3. Dezembro Laranja mobiliza famosos e colore o País
  4. Ivete Sangalo embala comemoração dos 25 anos de CARAS

Receba em Casa

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

  1. 1 Pabllo Vittar mostra ousadia em foto e deixa peito à mostra
  2. 2 Fernanda Lima fala pela 1ª vez sobre Eduardo Costa
  3. 3 Preta Gil e Rodrigo Godoy aproveitam tarde em cachoeira
  4. 4 Com Marcos Mion, A Fazenda fecha com a maior audiência
  5. 5 Atriz diz ter sido abusada pelo ator Castrinho no passado
  6. 6 Cleo Pires relembra traumas e questiona relação com irmã
  7. 7 Nas vésperas do BBB19, Globo reúne vencedores no Altas Horas
  8. 8 Revoltada, Rafa Brites se espanta com preço de coxinha
  9. 9 Vida Vlatt formaliza denúncia de agressão contra Ana Paula
  10. 10 CBS paga R$ 37 milhões para atriz não denunciar assédio