Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Crítica: De olho nos fãs do 'Pânico', 'A Grande Farsa' com Ceará aposta em fórmula consagrada

O humorístico, que estreou nesta segunda-feira, 20, foi o grande acerto do Multishow nos últimos 12 meses

Thiago Azanha Publicado em 21/07/2015, às 08h26 - Atualizado em 10/05/2019, às 11h20

Ceará estreia o A Grande Farsa no Multishow - Multishow/Reprodução
Ceará estreia o A Grande Farsa no Multishow - Multishow/Reprodução

O humorístico A Granda Farsa, que estreou na noite de segunda-feira, 20, foi o grande acerto do Multishow em 2015.

Após quase esgotar a fórmula das comédias de situação com plateia -- casos do Acredita na Peruca com Luiz Fernando Guimarães e #PartiuShopping com Tom Cavalcante -- o canal apostou de forma certeira suas fichas no comediante Wellington Muniz, o Ceará, em um programa recheado de divertidas e consagradas imitações.

De olho nos fãs do Pânico na TV, A Grande Farsa deu liberdade para Ceará fazer paródia de personagens já conhecidos em sua carreira, como Marília Gabriela, Galvão Bueno, Datena, Sérgio Chapelin, Bell Marques e, claro, Silvio Santos -- sua maior criação na TV.

Sem querer reinventar a roda, o programa aposta em uma fórmula que já deu certo dado o talento de Ceará em criar e interpretar de forma divertida os artistas de TV. Sem arriscar, o público consegue identificar aquele humorista consagrado, e ainda melhor, dos tempos em que fazia parte da trupe de Emílio Surita na TV aberta.

Na estreia, Danilo Gentili participou do quadro de entrevista "Di ferente com Gabi", e conseguiu responder com bom humor a perguntas de duplo sentido. Em outro momento, uma repórter saiu às ruas para perguntar o que as pessoas estavam achando da estreia do humorístico com Ceará -- permitindo-se, assim, rir de si próprio com as respostas -- "Quem é Ceará? Não conheço!".

Quando Ceará apareceu "de cara limpa" nos quinze minutos finais, perdeu um pouco a graça. Em um quadro no qual um homem e uma mulher disputavam quem ficaria mais tempo sentado em um touro mecânico tendo a companhia de uma modelo bonitona e um rapaz sem camisa, o programa remeteu aos quadros bobos do Tudo Pela Audiência com Fábio Porchat e Tatá Werneck -- relembrando, assim, que estávamos no Multishow.

De todos os programas que estrearam no Multishow nos últimos 12 meses -- incluindo aí o Trair e Coçar é Só Começar -- A Grande Aposta já é o melhor programa do canal na temporada. E Wellington Muniz prova que tem talento de sobra para comandar, sozinho, um programa na TV. Sabe ser divertido sem apelação. Foi o grande acerto.