tv

Carolinie Figueiredo decreta fim da carreira de atriz: "Morrer pra algo novo renascer"

Aos 28 anos e mãe de 2 filhos, a eterna Domingas de 'Malhação' desabafou sobre o fim da carreira

CARAS Digital Publicado sexta 15 dezembro, 2017

Aos 28 anos e mãe de 2 filhos, a eterna Domingas de 'Malhação' desabafou sobre o fim da carreira
Carolinie Figueiredo - Instagram/Reprodução

Carolinie Figueiredo fez uma surpreendente revelação em suas redes sociais nesta quinta-feira, 14.

Aos 28 anos, a eterna Domingas de Malhação decretou o fim de sua carreira de atriz na TV após quatro anos sem novos trabalhos. Sua última participação foi na novela Sangue Bom, na Globo, em 2013.

"Agora estou começando a abraçar mais uma morte importante: a morte da atriz. Talvez eu nunca deixe de ser atriz, talvez seja o rótulo / ocupação mais antigo que tenho. Acontece que desde que meu segundo filho nasceu, ser atriz não é mais minha ocupação principal, não é mais como eu pago minhas contas mas ainda é como eu me apresento porque isso ainda me trás status, pertencimento e reconhecimento (e digo de mim mesma). Deixar essa morte acontecer não significa que não vá mais atuar, porque o ser artista / criativa / criadora vai estar em mim pra sempre. Mas a idealização de carreira, a associação de sucesso e abundância financeiro ligado a minha carreira de atriz, isso precisa morrer. Porque hoje sou terapeuta (minha mão ainda treme ao escrever). Porque sou educadora parental. E mesmo fazendo um trabalho lindo que impactou e transformou tantas famílias, mulheres e pessoas, algo em mim colocava minhas ocupações em segundo plano porque a atriz-ego-gigante, a atriz-que-espera-a-novela-das-oito ocupava todos os espaços. Essa precisa morrer e junto com ela tudo que ainda me impede de assumir quem sou. Morrer pra algo novo renascer. E abraçar e acolher essa que agora sou. Essa que é a construção de tudo que também não me aconteceu", desabafou Carolinie.

A mãe divorciada de Theo e Bruna ainda deu um relato sincero sobre a maternidade e o fim da família idealizada após sua separação.

"Essa foto [veja abaixo] tem mais de sete anos. Antes dos filhos, antes de tudo virar de cabeça pra baixo. Um processo doloroso onde precisei ver morrer o meu eu idealizado. Comecei deixando morrer a idealização da maternidade quando assumi ser mãe aos 21 e logo novamente aos 23. Foi doloroso ver que na realidade o cuidar e o maternar eram bem diferentes daquilo que imaginava. Depois passei por um longo processo de aceitar a morte da idealização da 'família perfeita'. Separei quando o pequeno tinha menos de um ano e foi bem doloroso pra todo mundo perceber que aquela relação estava desgastada e que seria mais coerente pra todos que 'papai e mamãe tivessem duas casas mas que continuariam amando muito vocês'. Mesmo sabendo que o casal não funcionava mais, ver desmoronar o projeto de família, aquilo que desde pequena escuto sendo como ideal, é um processo gigantesco que só quem passou sabe como é", explicou.

 

Essa foto tem mais de sete anos. Antes dos filhos, antes de tudo virar de cabeça pra baixo. Um processo doloroso onde precisei ver morrer o meu eu idealizado. Comecei deixando morrer a idealização da maternidade quando assumi ser mãe aos 21 e logo novamente aos 23. Foi doloroso ver que na realidade o cuidar e o Maternar era bem diferente daquilo que imaginava. Depois passei por um longo processo de aceitar a morte da idealização da "família perfeita". Separei quando o pequeno tinha menos de um ano e foi bem doloroso pra todo mundo perceber que aquela relação estava desgastada e que seria mais coerente pra todos que "papai e mamãe tivessem duas casas mas que continuariam amando muito vocês". Mesmo sabendo que o casal não funcionava mais, ver desmoronar o projeto de família, aquilo que desde pequena escuto sendo como ideal, é um processo gigantesco que só quem passou sabe como é. Agora estou começando a abraçar mais uma morte importante: a morte da atriz. Talvez eu nunca deixe de ser atriz, talvez seja o rótulo / ocupação mais antigo que tenho. Acontece que desde que meu segundo filho nasceu, ser atriz não é mais minha ocupação principal, não é mais como eu pago minhas contas mas ainda é como eu me apresento porque isso ainda me trás status, pertencimento e reconhecimento (e digo de mim mesma). Deixar essa morte acontecer não significa que não vá mais atuar, porque o ser artista / criativa / criadora vai estar em mim pra sempre. Mas a idealização de carreira, a associação de sucesso e abundância financeiro ligado a minha carreira de atriz, isso precisa morrer. Porque hoje sou terapeuta (minha mão ainda treme ao escrever). Porque sou educadora parental. E mesmo fazendo um trabalho lindo que impactou e transformou tantas famílias, mulheres e pessoas, algo em mim colocava minhas ocupações em segundo plano porque a atriz-ego-gigante, a atriz-que-espera-a-novela-das-oito ocupava todos os espaços. Essa precisa morrer e junto com ela tudo que ainda me impede de assumir quem sou. Morrer pra algo novo renascer. E abraçar e acolher essa que agora sou. Essa que é a construção de tudo que também não me aconteceu. E em você: o que precisa morrer? #Luaminguante

Uma publicação compartilhada por Carolinie Figueiredo (@carolinie_figueiredo) em

 

Último acesso: 27 Oct 2021 - 23:41:10 (295936).

Leia também

TV CARAS