Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARAS
TV / Sucesso!

Após Desalma, Valentina Ghiorzi estreia novo projeto de curta sobre quarentena

Valentina Ghiorzi analisou o ano de 2020 e os seus novos projetos, incluindo dois curtas

Tabatha Maia Publicado em 04/12/2020, às 15h35 - Atualizado em 14/12/2020, às 15h34

Após estreia em Desalma, Valentina Ghiorzi está em projeto - Reprodução
Após estreia em Desalma, Valentina Ghiorzi está em projeto - Reprodução

Sucesso! 

Valentina Ghiorzi, 20 anos, fez a sua estreia na Globoplay, na famosa série sobrenatural Desalma, que estreou no dia 22 de outubro, e está conquistando a curiosidade daqueles que acompanham a plataforma de streaming da TV Globo. 

A atriz, que interpreta Ignesna série, contou detalhes da sua personagem em uma conversa exclusiva com a CARAS Digital“A princípio a Ignes é bem animada, diferente de qualquer outra personagem que já interpretei, que já tinham uma profundidade mais trágica. Foi bem legal trabalhar com uma personagem mais fervorosa e que traz mais alegria. Ela é a quebra da atmosfera que a série tem no geral”, explicou. 

Questionada sobre as diferenças das suas antigas personagens, Valentina disse: "Ela é bem diferente porque a princípio ela é radiante, animada com a vida, e a maioria das personagens que eu interpretei são muito mais “pra dentro”, com alguma dor, com dificuldade de expressar. Um exemplo é a última personagem que interpretei, Ana, no curta “Ainda não sei”, de Thais Almeida. É basicamente ela, com ela mesma, seus pensamentos e seu corpo", detalhou. 

Sobre a sensação de estrear em uma série na Globoplay, a atriz revelou que foi quase de uma erupção: "A sensação foi quase de uma erupção, por estrear em um streaming tão grande. Vieram muitos receios, ansiedades por diversos motivos, mas muita alegria e êxtase também, alegria de finalmente ter meu trabalho sendo visto por tanta gente e sendo valorizado. E depois que a série de fato lançou acho que a alegria de ter participado se sobrepôs a todos esses medos e ansiedades."

A série se passa em uma comunidade ucraniana no Sul do Brasil e, questionada sobre as diferenças culturais, ela refletiu: "A relação do paganismo com o catolicismo, que chega e reconfigura diversos elementos do universo pagão, é algo que me interessa muito, até porque acredito que vivemos algo parecido no Brasil com outras religiosidades afro-descentes, por exemplo."

Desalma ainda conta com grandes nomes como Maria Ribeiro, Cassia Kiss e Claudia Abreu. Será que Valentina teve algum contato com as atrizes? "Entre elas, tive mais contato com a Claudia Abreu durante a preparação. Acredito que trocamos algo sim, nas improvisações, construímos um pouquinho juntas o que é a Ignes, e esse caminho tortuoso que ela atravessa (ou melhor, que ela é atravessada)", explicou. 

Sobre a produção, ela fez questão de mandar um recado para quem ainda não assistiu: "Diria que não precisa ter medo! rs. Brincadeira, tem gente que tem medo sim, mas daí é só ver de dia! De qualquer forma, como Desalma é uma série de drama sobrenatural, e não de terror, acho que o foco da série está mais no drama mesmo, naquela atmosfera meio suspeita, às vezes rola uns sustos, mas é a história que é a estrutura da série, a coisa mais cativante dela."

Novos projetos

Além de Desalma, Valentina também está em Terapia do Medo, seu primeiro papel no cinema: "É um longa de terror de fato. O que eu posso dizer é que também tem grandes nomes sendo um deles a Andressa Cabral, que fez minha mãe, o que foi um prazer enorme pra mim, foi incrível contracenar com ela. Nesse longa eu também sou do passado, a história se passa nos dias de hoje e há vários anos atrás. Algo trágico acontece comigo, Lúcia, e as personagens atuais são afetadas por esse passado", adiantou. 

Segundo ela, as gravações foram bem tranquilas, já que as suas cenas foram bem dramáticas: "As gravações aconteceram tanto em São Paulo quanto em Ilha Bela, em paisagens muito bonitas. Quanto aos desafios na atuação, acredito que o caminho que todo ator que vêm do teatro para o audiovisual atravessa é ir aprendendo a expressar na sutileza, para minha sorte minhas cenas eram bem dramáticas, e isso é o que eu tenho maior facilidade. As gravações foram super divertidas, mesmo que praticamente todas as cenas fossem densas o ambiente era muito tranquilo e o diretor, Roberto Moreira, foi extremamente atencioso e receptivo comigo".

Sobre o futuro, ela revelou que está aberta a novas oportunidades. Além disso, citou o projeto de curta sobre a quarentena: "O curta “Ainda não sei” que está para lançar e fala sobre uma garota em quarentena, tentando entender sua relação com a cidade que a sufoca ao mesmo tempo que ela encontra ‘labirintos’ deitada no sofá. Um curta sobre se entender mais, a personagem com os próprios pensamentos. O curta “Terapia do Medo” também, e o longa de Dora Longo Bahia, “ANTIGONADA”. Sem falar na segunda temporada de Desalma que está confirmada. Fora isso posso garantir que permanecerei estudando e me abrindo a todas as oportunidades que forem possíveis."

Balanço do ano

Apesar das dificuldades do ano de 2020, Valentina contou o que aprendeu nesse período de isolamento: "Minha experiência com esse ano, foi bastante turbulenta, principalmente no começo, o medo de um vírus desconhecido, a falta de segurança de que nosso governo estaria fazendo o necessário, e o isolamento em si foram muito desafiadores", adiantou. 

Ela, então, finalizou: "Mas com o tempo fui aprendendo a respirar, a ter paciência, a entender que eu não posso mudar tudo sozinha, e me ouvir. Fui descobrindo o que me faz bem dentro de casa, valorizando as relações que eu quero perto, aprendendo a criar e a estar em movimento, mesmo nas situações mais adversas, enfim, ir me ouvindo num geral foi meu maior presente desse ano", concluiu.