Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Andrey Lopes festeja o sucesso em sua primeira novela

Andrey Lopes fala sobre a preparação para atuar em 'Apocalipse', da Record, e do projeto de levar sua peça de teatro para a África

CARAS Digital Publicado em 01/03/2018, às 16h33 - Atualizado às 17h12

Andrey Lopes - Léo Siqueira
Andrey Lopes - Léo Siqueira

O ator e humorista Andrey Lopes está radiante com a oportunidade de fazer a sua primeira novela do começo ao fim. Conhecido por seus trabalhos com humor no teatro e até na televisão como apresentador ou ator de séries, ele está no elenco da novela Apocalipse, da Record, como o divertido Chico Gouveia, um repórter cinematográfico que vive um amor não correspondido.  

Em conversa com a CARAS Digital, Andrey revelou que sempre teve a vontade de experimentar o universo da teledramaturgia brasileira e está muito contente com o relacionamento que criou com a equipe ao longo dos meses de trabalho, principalmente com as atrizes Juliana Knust e Thaissa Carvalho, suas parceiras de cena. Além disso, ele revelou que, após a novela, passará um mês na África com sua peça de teatro, Será que a gente influencia o Caetano?.

Confira o bate-papo:

- Como surgiu o convite para Apocalipse?

Na minha vida inteira eu fiz comédia e a Record estava justamente procurando um ator cômico para esse personagem. Aí calhou de unir o útil ao agradável [risos].  

-Você já fez vários trabalhos como apresentador e como humorista. Já tinha vontade de mostrar mais o seu lado ator na TV?

Sempre tive. Fiz algumas séries, com personagens legais, como Procurando Casseta e Planeta, Detetives do Prédio Azul e A Incrível Expedição de Arthur Pereira. Em novela, tinha feito várias participações, mas um personagem assim é o primeiro, fiquei muito feliz em dar vida a esse grande cara de coração bom e atrapalhado, o Chico Gouveia.

-Como é participar da produção de sua primeira novela como parte do elenco fixo? Tem algo de diferente em relação aos seus outros trabalhos?

Muito legal. Estou aprendendo bastante, o ritmo de uma novela, o jeito de se fazer, é muito diferente de tudo que eu fiz. Em uma série você está em contato com a obra por volta de 3 meses, cinema um ou dois meses, novela já é um projeto maior, são 10 meses de trabalho. A equipe técnica, maquiadores, figurinistas, produção, atores, direção, viram, praticamente, uma família. O mais legal de fazer novela é o aprendizado constante e a troca com o público.

-Você fez algum tipo de preparação para interpretar o Chico?

Como meu personagem é um câmera tive preparação com os câmeras da Record. Fui pra rua ver uma matéria, tivemos uma reunião de pauta dentro do jornalismo para ver como cada personagem se comporta. E também fiz um coach para entender um pouco mais sobre o Chico. Minha inspiração foi o Charles Chaplin. Vi vários filmes dele, li sua auto biografia, no fundo ele e o Chico têm muita coisa em comum. São dois bobalhões, mas com corações enormes. 

-O que tem de parecido entre você e o seu personagem, Chico?

Acho que o bom humor, não desistir das coisas facilmente e o coração bom [risos].

-O Chico é muito apaixonado pela Celeste e faz tudo o que ela quer. Você já viveu algum amor deste tipo?

Amor não correspondido, todo mundo já teve. Quando eu era mais novo algumas vezes, sim. Hoje em dia estou feliz e tranquilo com a minha namorada.

-O que o público ainda pode esperar do Chico na novela?

Muita diversão e trapalhada, Chico vai se meter em várias confusões por causa da sua amada Celeste Beyoncê [Thaissa Carvalho]. 

-Como é a sua relação com a Juliana Knust na novela?

Não nos conhecíamos pessoalmente. A Juliana é muito parceira, atenciosa, generosa, tá sempre ali pra te ajudar e te deixar como se estivesse em casa. 

-E com a Thaissa Carvalho?

Thaissa é o alto astral em pessoa. Engraçada, falante, sempre disposta a ajudar. Acho que formamos uma bela dupla cômica [risos]. 

-Você tem outros projetos para este ano? ​

Em abril volto em cartaz com a peça ‘Será que a gente influencia o Caetano?’ no Teatro Café Pequeno, Rio de Janeiro. Estamos há 4 anos em cartaz. Depois da Copa do Mundo vamos ficar  um mês na África, rodando pelos países que falam língua português, como Angola, Moçambique, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Vai ser incrível e estou animado. Voltando tenho alguns projetos de séries e o filme que estou terminando de escrever.