Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Conflito moral em peça com Xuxa Lopes

'Crônica da Casa Assassinada', com direção de Gabriel Villela e texto de Dib Carneiro Neto, estreou em SP nesta sexta; peça foi adaptada do romance homônimo de Lúcio Cardoso

Redação Publicado em 17/09/2011, às 01h52 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Crônica da Casa Assassinada - João Caldas/Divulgação
Crônica da Casa Assassinada - João Caldas/Divulgação

A adaptação para o teatro de Crônica da Casa Assassinada, romance de 1959 de Lúcio Cardoso (1912-1968), estreou em São Paulo nesta sexta-feira, 16, após temporadas no Rio e em Minas Gerais. O espetáculo conta a história de uma tradicional família do interior mineiro, os Menezes, que passa pela decadência financeira e moral no final da década de 1950.

O espetáculo discute traição, conflito de valores e homossexualidade. Gira em torno da personagem Nina, interpretada por Xuxa Lopes (57), uma carioca que, doente, retorna à fazenda onde deixou o marido Valdo e o filho André, 15 anos antes. Lá vivem também os irmãos de Valdo - Demétrio e Timóteo, esse último rejeitado por usar o guarda-roupa da mãe falecida - e a cunhada Ana, casada com Demétrio.

"Nina é uma moça mais livre, e chega a esse lugar cheio de regras. Acho que o autor quis falar sobre isso, hipocrisia", contou Xuxa a CARAS Online. Em cena, a atriz aparece seminua. "Hoje me sinto mais madura, mas foi dificílimo. Não queria de jeito nenhum. Só nos últimos três dias resolvi que faria. Nos dois meses de ensaio, dizia que não", revelou a atriz.

Com adaptação do dramaturgo e jornalista Dib Carneiro Neto (50), a peça tem direção de Gabriel Villela (53). "Fui para Minas Gerais, me internei em um casarão que lembra muito a estrutura da fazenda onde se passa o romance. Queria ouvir a prosódia dos mineiros, entender mais sobre a alma deles. Foi uma sugestão do Gabriel, e enriqueceu muito meu trabalho", contou Carneiro.

Vilella também assina o figurino. "A parte mais clássica, de corte, foi feita por minha tia Zilda Perez Villela, de Carmo do Rio Claro [cidade natal do diretor]. A outra, organizando o material do ateliê que a gente tem, compondo com uma certa irresponsabilidade temporal", disse o diretor.

Crônica da Casa Assassinada está em cartaz no Sesc Vila Mariana (R. Pelotas, 141 - Vila Mariana) até 16 de outubro. As apresentações ocorrem sextas e sábados, às 21h; e domingos, às 18h.