Revista CARAS
Facebook Revista CARASTwitter Revista CARASInstagram Revista CARASYoutube Revista CARASTiktok Revista CARASSpotify Revista CARAS

Na presença de estrelas, Miguel Falabella estreia o musical 'Xanadu'

Aconteceu nesta terça-feira, 17, no Rio de Janeiro, a estreia para convidados do musical 'Xanadu', com direção de Miguel Falabella e versão de Artur Xexéo, com Danielle Winits, Thiago Fragoso e Sidney Magal no elenco. Veja as fotos de quem passou por lá

Redação Publicado em 18/01/2012, às 00h46 - Atualizado em 08/08/2019, às 15h43

Thiago Fragoso e Danielle Winits com Miguel Falabella - RAPHAEL MESQUITA / PHOTO RIO NEWS
Thiago Fragoso e Danielle Winits com Miguel Falabella - RAPHAEL MESQUITA / PHOTO RIO NEWS

A versão brasileira do musical Xanadu estreou na noite desta terça-feira, no Teatro Oi Casa Grande, localizado zona Sul do Rio de janeiro, e foi marcada pela presença de estrelas do alto escalão do entretenimento, que não pouparam o elenco formado por Danielle Winits (38), Thiago Fragoso (30) e Sidney Magal (58) de elogios. O espetáculo foi dirigido por Miguel Falabella (55), que contou à CARAS Online sobre a composição da montagem.

É uma grande brincadeira, não é um musical tradicional, longe disso. É uma grande farra. Ele é um besteirol musical. Tentei também carnavalizar o espetáculo. Virou uma grande papaguaida que se resume em uma grande brincadeira”, afirmou Falabella. Para o diretor, o grande segredo de montar um espetáculo bem feito é a alegria. “Sou uma pessoa muito solar no meu trabalho. Gosto de incentivar as pessoas através da alegria, dificilmente fico de mau humor”, confessou.

Danielle Winits, a grande estrela da noite que ficou meses se preparando para o musical recheado de canções dos anos 1980, conta que sua grande motivação foram duas pessoas que nasceram bem depois da década que inspira a peça: seus filhos Noah e Guy. “Estou fazendo essa peça para os meus filhos. Dediquei totalmente a eles, que tiveram do meu lado. Inclusive meu filho mais velho aprendeu as músicas antes de mim”, revelou.

No musical, a atriz passa maior parte do tempo andando de patins, mas segundo a atriz, encenar sobre rodas não é tão difícil quanto parece. “Quando eu era criança eu andava. Mas estou me divertindo, e isso é muito válido. Não tive nenhuma queda séria. Tenho aprendido ainda, estou me aprimorando”.

Para Thiago Fragoso, o grande desafio de fazer um besteirol como Xanadu está na aceitação de seus fãs, que não estão acostumados a vê-lo fazendo peças cômicas. “As pessoas se surpreendem muito quando me vêem fazendo comédia. O público não está acostumado de me ver avacalhando assim, e olha que já fiz muita comédia! Cantar e dançar é maravilhoso, e não é uma dificuldade. A grande sinergia é fazer tudo isso junto, com cenário, iluminação, patinar, figurino, esse é o grande lance do musical. Estou fazendo tudo com muita disciplina”, revelou.

Terceiro musical do qual participa, Xanadu para Sidney Magal mais uma grande diversão em sua carreira de mais de 40 anos. “Foi gostoso assim como foram os três musicais que já participei. Quando fui convidado pelo Miguel eu tive que aceitar. Ele só pediu para eu cantar e interpretar, coisas que sei. Agora, dançar não precisei muito. Não sou bailarino para dançar igual Gene Kelly (dançarino, ator e cantor dos anos 1930)”, brincou.

Plateia crítica

Por contar com uma plateia recheada de grandes nomes do teatro e da televisão brasileira, a responsabilidade da estreia de Xanadu teve um peso especial para todo o seu elenco. Mas a julgar pelo carinho com que os amigos falaram sobre o espetáculo, sua estreia foi um sucesso.

Esse espetáculo é um presente. Um sonho colorido. O Miguel é muito bom no que faz. Dani, Thiago e Falabella juntos, com certeza será um sucesso”, celebrou Francisco Cuoco (78).

Herson Capri (60) foi outro gigante que saiu satisfeito do teatro. “Superou as expectativas, está muito melhor do que eu esperava. O Miguel imprimiu a marca dele e soube fazer bem este humor imperdível”.

Além da satisfação pela festa colorida de Xanadu, Leilah Moreno (26) aprofundou a análise e contemplou o crescimento da representatividade do cenário musical no teatro brasileiro. “Acho muito bacana que o Brasil esteja se firmando em trazer esse trabalho bonito para o público. Isso gera muito trabalho para produtores, atores, bailarinos, diretores e esse espetáculo do Falabella vai ser o maior sucesso”, ponderou.

E ao fim da apresentação, teve até quem considerou entrar para o mundo do teatro cantado e dançado. “Eu até gostaria de um dia fazer um musical, mas precisaria de mais tempo. Eu teria que abrir mão de algo, com certeza”, refletiu Sheron Menezes (28).